Quinta-feira, 12 de Agosto de 2010
Rui Passos Rocha

Digamos, agora, que “pensar em termos de um sistema […] resolve de uma penada todos os problemas da humanidade” (Kolakowski) e que, se condimentado isso com a concepção do Estado como um instrumento de opressão de classe, até premir o gatilho a alguns parecerá justificável se à esquina entrevirem a redenção. Uma democracia - sem sarcasmo, porque assim é apelidada - “em que o estado é o único empregador, oposição significa morrer lentamente de fome” (Trotsky). Num tal tipo de democracia, em que por vezes é preciso “dar uma lição ao público para que não se atreva a pensar em resistência durante várias décadas” (Lenine), até a permanência de crianças no GULAG será concebível tendo em conta que o caminho para o socialismo ainda está a ser trilhado (mulher de Lenine). Nesta democracia, plebiscitária com vencedor predefinido, dificilmente não será “cada homem um mero agente, um mero número” (Tocqueville). E nesta forma de democracia, acreditar “em duas coisas que são absolutamente diferentes e talvez até contraditórias: liberdade e organização” (Halévy) poderá ser concebível, se se procurar liberdade na organização, o dilema de Rousseau. A crença é capaz de muito, até de imaginar um regime em que “os trabalhadores serão tão produtivos que trabalharão voluntariamente de acordo com as suas capacidades […] e cada um receberá [o seu salário] livremente de acordo com as suas necessidades” (Lenine). Até Hobsbawm, o grande historiador contemporâneo e comunista ortodoxo, cede no ponto em que “a possibilidade de ditadura está implícita em qualquer regime baseado num poder único, irremovível”. E as ditaduras, como vamos sabendo, não só “corrompem absolutamente” (Acton) como são tudo o que uma Humanidade pacífica deve evitar. Se uma (comunismo) é melhor do que outra (fascismo), podendo ser verdade é acima de tudo lateral.


2 comentários:
De Miguel Madeira a 13 de Agosto de 2010 às 11:49
«Uma democracia - sem sarcasmo, porque assim é apelidada - “em que o estado é o único empregador, oposição significa morrer lentamente de fome” (Trotsky). »

Assim apelidade por quem?

[Tal como o RPR escreve, dá a impressão que foi Trotsky que apelidou a URSS de democracia quando escreveu isso, o que não é o caso]


De RPR a 13 de Agosto de 2010 às 13:52
Dou-lhe razão no que respeita ao discurso. Quanto ao resto, supostamente a ditadura do proletariado é que é a verdadeira democracia...


Comentar post

autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds