Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010
Rui Passos Rocha

Infelizmente para a minha tensão arterial - já para não falar, falando, dos calores da colega Priscila - o mundo teima em ser complexo. Enquanto nem ela nem um dos dois cavalheiros comentadores deste seu post decidem alcançar um consenso, qwertymente resolvendo na blogosfera a mais suja luta na lama ideológica do último século e meio, capitalismo continua a significar batatas a murro com pasta de dentes e cera dos ouvidos para o reino iliberal, enquanto que para as gentes liberais engloba todo o cardápio da culinária italiana e portuguesa juntas. Para os primeiros é e, por mais que se o disfarce com ervas aromáticas, será intrinsecamente mau - apenas ligeiramente melhor do que o sistema feudal, porque mantém a mesma exploração mas em regime de pseudo-democracia; para os segundos pode ser uma porrada de grupos ideológicos distintos e por isso permite políticas bem distantes entre si, se bem que com um fio comum. Como, tantos anos depois, nenhuma das trincheiras deixa de lançar granadas à outra, os dois mundos-pensamentos (esta é do Orwell) continuam essencialmente irreconciliáveis, o que, novamente aqui evidenciando a minha mente simplória, não abona em favor da saudinha aqui do escriba. O problema - e finalmente pareço chegar a algum lado com esta treta - está em que, feliz ou infelizmente dependendo das cabecinhas pensantes, já que a Providência teima em limitar-se a arbitrar, apenas um desses mundos-pensamentos domina as culturas contemporâneas. O que torna, diga-se, esta brincadeira mais interessante quando se lê de uma entrevista a Jerónimo de Sousa (feita pelo Destak, esse portento) o dito de que «o capitalismo não será o Fim da História». Tretologia fukuyâmica à parte, o problema deste vosso servo está, leiam-me agora, no invariável nó intestinal após os dois segundos em que o cérebro quer adaptar a frase do capo do PCP ao mundo-pensamento liberal. Nesses dois segundos ocorrem-me sonhos de um mundo mais fraterno e tal, em que Wall Street seja um mercado de legumes e as galinhas tenham direito de protesto constitucionalmente garantido. Depois dá-se o tal nó, a bílis produz uma qualquer excreção nojenta enquanto me lembro do «prometo-lhe que Portugal não terá parlamentarismo» de Cunhal a Oriana Fallaci ou da sua chegada triunfante em 1974, a emular Lenine na Finlândia. Com anfetaminas vos digo, rebanho meu, finalmente (é agora que digo alguma coisa de jeito?), que o pós-capitalismo do camarada Jerónimo passa invariavelmente pelo marxismo-leninismo (ó Festa do Avante!, que tanto o apregoaste) substituto do capitalismo - quem sabe empalando os malditos kulaks das PME para criar o virtuoso estado de coisas em que o trabalho é pedido (sim, pedido, porque o sistema é virtuoso) a cada um «de acordo com as suas possibilidades» e distribuído «a cada um de acordo com as suas necessidades». Enquanto a tese marxista do valor laboral não é implementada, porque não o será enquanto os burgueses, esses exploradores, comandarem os destinos do povo explorado (eu, pobre de mim, incluído), perante tamanha injustiça social o líder do PCP espera agora o messiânico retorno da antítese bolchevique, agora recauchutada de cunhalismo. Infelizmente Marx, o patriarca da coisa, já não tem voz para gritar que as antíteses, como ele, não ressuscitam. Gritaria, imagina-se, que à inesperada síntese do Muro de Berlim se seguiu nova tese. Tivesse o barbudo, ó ironia, uma mão invisível e talvez pudesse com o indicador apontar a Jerónimo uma releitura do seu materialismo dialéctico. Quanto muito, a antítese provirá da síntese de Berlim; pouco resta do esmurrado marxismo-leninismo. Os amanhãs não assobiarão a Carvalhesa. E agora, meus caros, vou repousar antes de voltar a carregar o mundo às costas.


5 comentários:
De oag a 11 de Outubro de 2010 às 16:07
Este "post" é uma crítica literária que se lê como um romance?


De PR a 11 de Outubro de 2010 às 20:56
Eu dou-te os "calores"...


De RPR a 11 de Outubro de 2010 às 21:10
Vá, dê-me pelo menos o gosto de saber que isto não se lê como o Sétimo Selo ou coisa que o valha.


De oag a 13 de Outubro de 2010 às 00:25
Não posso dizer. Nunca li. Quem é o autor?


De RPR a 13 de Outubro de 2010 às 09:50
este senhor: http://adoutaignorancia.blogs.sapo.pt/126485.html


Comentar post

autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds