Sábado, 30 de Abril de 2011
Priscila Rêgo

Estive a ler as propostas do Mais Sociedade. Ainda não li tudo, mas o pouco que li assustou-me. As propostas do Pedro Portugal, por exemplo, revelam estudo, muito trabalho, um conhecimento profundo do tema e ponderação. É impossível que alguém as leve a sério.

 

 


Quarta-feira, 27 de Abril de 2011
Priscila Rêgo

Estava há algum tempo para escrever sobre isto, mas este texto do New York Times é um óptimo pretexto para não adiar mais a coisa. Afinal, quem ganhou com o euro? Segundo o NYT, foi a Alemanha. Em baixo cito os dois primeiros parágrafos.

 

The euro has been very, very good for Germany. Other members of the zone have not fared as well. Since the introduction of the euro at the beginning of 1999, the European Central Bank calculates that Germany has gained competitiveness, not only against other major industrial nations but against all other members of the euro zone.

 

Ok, ganhou competitividade. Mas o significa isso? Será que ficou mais rica? Será que cresceu mais?

 

Felizmente, o BCE é bem menos ambíguo do que o NYT: a competitividade é apenas uma medida da variação dos Custos Unitários do trabalho (CUT). Que são, por sua vez, o custo com salários em que uma empresa incorre para levar a cabo a sua produção. Se o rácio salários/produtividade cresce mais no país A do que no país B, então esse país ficou menos competitivo.

 

Em princípio, maior competitividade está associada a mais emprego. Empresas com menos custos conseguem colocar produtos nos mercados a preços mais baixos e assim manter-se em actividade; empresas com custos mais altos têm mais dificuldade em manter-se à tona da água, têm de fechar e consequentemente atirar os seus empregados para o desemprego.

 

Mas isto não nos diz nada acerca da verdadeira riqueza do país. Na verdade, até induz a conclusões perversas, na medida em que coloca à frente do "ranking" a economia que conseguir limitar mais a parte do crescimento económico que vai para os trabalhadores. É curioso que seja a Esquerda, que tanto defende que o crescimento só é louvável quando melhora as condições dos operários, que mais recorra a este tipo de indicadores para dizer que foi a Alemanha quem mais beneficiou do euro.

 

Há alguma alternativa? Bom... há. A mais simples é a verdadeira medida da riqueza por pessoa: o PIB per capita. É aquele tipo de coisa que nunca se costuma ver na imprensa dos países da periferia. Nunca percebi bem porquê.

 

  


Segunda-feira, 25 de Abril de 2011
Rui Passos Rocha

José Sócrates cita Pessoa para afastar pessimismo.


Sábado, 23 de Abril de 2011
Tiago Moreira Ramalho

Em fins de Abril podemos ter tensões graves no Parque Eduardo VII. O mapa da Feira do Livro assemelha-se cada vez mais ao de uma Europa novecentista, de impérios e pequenos estados, vivendo com armas até aos dentes, temendo a sorte. Podemos assistir a uma guerra entre a Babel e a LeYa pelo domínio da Assírio e Alvim, ou a uma investida por parte da Porto Editora para arrancar os territórios fronteiriços da LeYa como a Caminho ou a Asa. E nada nos garante que a ala superior esquerda, polvilhada por pequenas editoras com impulsos imperialistas – falamos de uma Relógio de Água, de uma Edições de 70, de uma Assírio e Alvim – não possa até unificar-se e criar novo império. Felizmente, o senhor Teixeira Pinto, da APEL e da Babel, coisa que sempre me pareceu confusa, mas não vamos por aí, lembrou-se de criar zonas verdes com concertos e manifestações artísticas similares, não vá o conflito estabelecer-se e a livre circulação tornar-se pouco livre e pouco circulatória. Daqui a uns anos, olharemos para trás, e provavelmente choraremos as páginas derramadas na Feira da Era dos Impérios.


Tiago Moreira Ramalho

Chegámos ao chão da política. E isto não é medina-carreirismo de mercearia ou coisa que se lhe assemelhe. É simples facto: hoje, não há nada pior que pedir ajuda externa ao FMI. É o pior a que nos podemos resignar e é simplesmente a assunção catastrófica de que somos, em matéria de governação, uma catástrofe. Pior, só a cessação de pagamentos e, com isso, o rótulo de caloteiro no mercado mundial, cenário que dificilmente pode ocorrer porque, precisamente, fazemos parte do FMI, que não permite caloteiros, além de não gostar de preguiçosos.

Posto isto, dado o chão em que estamos, coladinhos, deitados, como que sugados sem nos mexermos, assusta-me que o partido de governo tenha sequer a possibilidade de ganhar de novo. Na Finlândia, nação maldita que não tem a bondade de nos auxiliar, o partido de governo, cuja incompetência dificilmente se podia comparar à deste, passou para quarta força política, atrás do fashion nazis, e nem colocam a hipótese de negociar a presença no governo, dada a incapacidade que revelaram. Aqui, nem falamos em passar para quarta força política, atrás de um CDS ou um BE, mas sim de voltar a ganhar as eleições, pela terceira vez consecutiva.

Dizem-me, para justificar a abjecção, que se trata de jogar pelo seguro. O povo sabe que José Sócrates é medíocre e que o PS já quase não existe, mas ao menos trata-se de uma mediocridade conhecida, cá de casa, com a qual já sabemos lidar e viver em paz e harmonia. Agora a mediocridade de Passos Coelho é nova, desconhecida, obscura, quase estrangeirada. Tememo-la e não lhe queremos dar cruzinhas. Pois, meus caros, o facto basilar é este: por muito medíocre que seja Passos Coelho, do chão da política não passamos. Se falássemos de uma situação intermédia, como nas últimas eleições, o argumento, apesar de idiota, ainda se compreendia. Hoje não estamos em limbo nenhum. Hoje estamos num purgatório económico do qual dificilmente saímos se continuarmos na mesma estrada que nos trouxe cá. E se pior não posso ficar, a decisão é simples: prefiro arriscar.


Quinta-feira, 21 de Abril de 2011
Tiago Moreira Ramalho

Num tempo em que as línguas ficam carecas de repetir tantas vezes a palavra «troika», o novo vocábulo modernaço da comunicação social lusa, os portugueses, um povo de inteligência superior, de uma astúcia rara, de uma capacidade analítica inabalável, de uma estrutura moral sem igual, de uma capacidade de trabalho sem precedentes, receberam, por serem tão especiais nas suas especialidades, uma tarde de folga. Pois é. O Fundo Monetário Internacional está em Portugal, somos motivo para a ascensão da extrema-direita xenófoba numa série de países, não sabemos se vamos ter salários, pensões e subsídios de natureza diversa no próximo mês, mas damo-nos o luxo de uma tarde sem trabalhar. Isto numa véspera de feriado que é, por sua vez, na véspera de um fim-de-semana. Estamos a precisar, será, provavelmente, a justificação. Cansamo-nos tanto a levar no lombo dos jornais internacionais, da opinião pública internacional e das instituições financeiras que nem a inteligência, a astúcia, a estrutura moral e a capacidade de trabalho, que em nós são sem dúvida superiores, resistem. Dê-se o descanso ao guerreiro. Pode ser que se lembre de guerrear quando acordar e à volta seja tudo mato e morte.


Tiago Moreira Ramalho

Se as eleições fossem hoje, o PS ganharia. Não resta nada além da emigração.


Priscila Rêgo

A imprensa noticiou hoje que a consolidação orçamental do primeiro trimestre foi conseguida às custas de cortes verdadeiramente draconianos. A GNR foi aconselhada a trocar auto-estradas por estradas nacionais, algumas escolas estão a apagar as luzes eléctricas enquanto há luz solar e já há rumores de serviços que são incentivados a ter atenção às torneiras mal fechadas, para poupar água. A opinião indígena escandalizou-se. E com razão - isto é uma prova da nossa pobreza. Da nossa pobreza intelectual.

 

Poupar água, electricidade, combustível e portagens não devia ser motivo de escárnio ou humor negro. É o dia-a-dia do português médio e de qualquer família minimamente conscienciosa. Medidas de cautela e precaução de que o nosso Estado só se lembrou quando chegou a bancarrota. E nós, alarves, que fazemos? Rimos, pois claro. Temos o que merecemos.

 

Um dia vamos olhar com espanto para estes dias. Veremos que não ficámos pobres de um dia para o outro. Simplesmente vivemos durante demasiado tempo na ilusão de que éramos ricos.

 

 


Sexta-feira, 15 de Abril de 2011
Tiago Moreira Ramalho

Discute-se, pelos cafés, restaurantes, barbeiros, cabeleireiros, lojas de comércio tradicional, grandes centros comerciais, táxis, ruas, bairros inteiros, a possibilidade, não, a inevitabilidade de uma grande coligação à esquerda, à direita, à frente, atrás, em cima, em baixo, enfim – a gente quer é molhada. Pois eu, na minha possível, não, inevitável falta de capacidade para compreender estas coisas da Cidade e da Política, não vejo pontinha dessa possibilidade que pelos vistos, não, é inevitável.

Não sei onde é que o povo que me rodeia e ao qual pertenço tem andado recentemente, mas, quer dizer, não sei, se calhar não estou, como se diz, a ver bem a coisa, mas é sequer concebível que um ser como José Sócrates possa voltar sequer a pisar solo político em Portugal? O homem que se passeou em quase todos os governos dos quase vinte anos que passaram desde que apareceu pela primeira vez e, em cada momento, teve como único propósito a sua própria caminhada para o estrelato de um lugar que nesta terra, queiramos ou não, não foi feito para estrelas mas para pedras simples, das que não luzem, porque não tem luz para luzir. O homem que nunca por nunca admitiu uma simples nódoa na sua imaculada governação, vociferando aos quatro ventos que a culpa era da coligação negativa, das agências de Rating, da especulação estrangeira, dos ataques dos mercados, das moscas que o aborreciam, das borboletas que batiam as asas, das ondas que rebentavam, do Sol que queimava, da nuvem que o tapava, da caneta que não escrevia, do homem da câmara que não o ajudava. O homem que, resumidamente, é o responsável pelo estado atrofiado de uma sociedade que, sendo certo que nunca teve grande esperteza, nunca foi tão simplesmente drogada por um discurso teatral, nasalado, oco e, mais do que tudo, irresponsável. Não me parece nada bem, mas não vão por mim, que eu sou muito novinho.

Objectivamente, se Pedro Passos Coelho estabelecer qualquer tipo de acordo pré-eleitoral com José Sócrates pode ficar descansado, que haverá menos um português a entregar-lhe o peso da responsabilidade de nos tirar da merda.


Segunda-feira, 11 de Abril de 2011
Priscila Rêgo

post anterior mostra o desemprego bruto. Não é de estranhar que Gestão, Direito e Economia tenham muitos desempregados: estes são também os cursos que produzem mais licenciados. Mas a qualidade de um curso mede-se pela probabilidade de ele garantir um emprego (taxa de emprego, que é um rácio), não pelo número de empregados que ele vai produzir.

 

A melhor forma de chegar a este indicador é cruzar o número de licenciados com o número de desempregados. O relatório do GPEARI faz isso, fornecendo um quadro com a) o número de diplomas passados nos últimos três anos por cada curso; b)  o número de inscritos nos centros de emprego formados nos mesmos cursos ao longo do mesmo período. E dá um bónus: explica se os inscritos estão à procura de primeiro emprego e e há quanto tempo estão inscritos.

 

Isto permite calcular uma taxa de desemprego tosca. É um número meramente indicativo, porque, em princípio, nem todos os desempregados estarão inscritos nos centros de emprego. E há que relativizar a sua importância, já que não fornece nenhuma informação acerca das condições dos licenciados que efectivamente estão empregados.

 

Este problema pode ser exacerbado por uma curva de Laffer de inscrição em centros de emprego algures aqui no meio: os licenciados em cursos com muito pouca saída podem sentir-se muito mais pressionados a aceitar empregos não diferenciados, já que têm menos perspectivas de encontrar emprego na respectiva área de estudos, o que distorce comparações entre licenciaturas. Ainda assim, é uma base de partida.

 

O primeiro gráfico de baixo mostra a taxa de desemprego de alguns cursos, incluindo a sua posição relativa na classificação geral. Coloquei os primeiros, os últimos, a média e alguns que, apesar de não se destacarem, são frequentemente apontados como pontos críticos de desemprego jovem (Direito e Arquitectura, por exemplo). O segundo gráfico apresenta a taxa de desemprego das várias áreas científicas.

 

 

 

Dois comentários a fazer. Em primeiro lugar, Direito e Arquitectura estão longe de ser o antro de desemprego que se ouve por aí. Estão pior do que a média, mas não estão sequer no pior tercil da tabela. A isto não deve ser alheio o facto de serem áreas dominadas por fortes corporações. Vou arriscar: dentro de alguns anos, o discurso que vemos agora ser aplicado a estas duas áreas passará a ser igualmente dirigido à Economia. Por enquanto, a Ordem ainda é recente (1998) e não deixou os tentáculos alastrar.

 

Em segundo lugar, há de facto uma diferença enorme nas taxas de desemprego das áreas das Ciências Duras e as mais “molinhas”. A linha “Total” (equivalente à média) divide o gráfico precisamente em duas metades: na de cima estão as Ciências Socias, Artes, Letras, Economia e Direito; na de baixo, Matemáticas, Engenharias e Saúde. É sete vezes mais provável um licenciado em comunicação (jornalismo, marketing, relações públicas e afins) estar desempregado do que um licenciado em informática.

 

É possível fazer uma brincadeira adicional. Utilizando os dados do GPEARI, calculei uma “taxa de desemprego agudo”. O primeiro valor é apenas a taxa de desemprego de longa duração aplicada aos jovens. Apenas retirei um ano ao denominador, já que não faria sentido levar em conta os licenciados que terminaram o curso há menos de um ano. O segundo valor é a percentagem de jovens que estão à procura do primeiro emprego – ou seja, que ainda não tiveram qualquer experiência laboral.

 

 

 

 

 

Eu evitaria interpretar estas números como taxas efectivas de desemprego, já que os valores apresentam incongruências substanciais relativamente aos dados do INE. Mas os diferenciais entre cursos, penso, podem ser utilizados de forma segura. Que é, ao fim e ao cabo, o mais interessante.


Domingo, 10 de Abril de 2011
Tiago Moreira Ramalho


Tiago Moreira Ramalho

Nestes dias há poucas coisas que sabem melhor que ler a crónica que abre o Atual.


Tiago Moreira Ramalho

Passei semanas, meses, a ser atazanado na minha paz podre com a beleza da «independência» de Nobre. Era isso que o fazia ser um excelente candidato à Presidência: a independência. Era um homem que tinha uma cidadania bonitinha, limpa de registos partidários, ou pelo menos assim rezava a lenda. Ora, eu não tenho ideia de haver um «independente» tão politicamente bem relacionado como Nobre. Já saltou por todo o espectro como se de um jardim se tratasse. Agora, depois da retórica anti-sistema da candidatura, aceita ser cabeça-de-lista do PSD em Lisboa nas legislativas. Lamenta-se, por um lado, a escolha do PSD. A Nobre sobra-lhe popularidade, mas falta-lhe o resto. Afoga-se na própria verborreia, sendo não raras vezes necessário salvá-lo da auto-flagelação discursiva; ignora isso da lógica argumentativa; despreza isso das regras institucionais; não se permite um módico de consistência. Por outro lado, lamenta-se quem se deixou enganar pela balela da galinha e do bocado de pão. Somos feitos disto, no fim: de factos a lamentar.


Priscila Rêgo

Começa sempre assim: aos pouquinhos. 

 

Um dia perguntaremos como chegámos a este ponto. E não vamos gostar da resposta.


Priscila Rêgo

É isso mesmo, Henrique. É isso mesmo.


Priscila Rêgo

Daniel Oliveira consegue a proeza de dizer, no mesmo texto (Expresso de ontem, sem link), que as agências de rating estão a sobrestimar a probabilidade de incumprimento e que este é inevitável.


Sábado, 9 de Abril de 2011
Priscila Rêgo

Lembram-se daquela ideia de o desemprego de jovens com curso superior se concentrar em grupos muito específicos de licenciados? Quando coloquei essa hipótese, baseei-me no instrumento de medida mais querido por parte dos nossos comentadores: o achómetro. Desde então, perdi algum tempo a olhar para os números.

 

Tive um problema: o INE não produz dados tão finos e as Universidades, pelos vistos, não têm interesse em fazê-lo (selecção adversa, suponho). Optei assim por recorrer aos dados administrativos do Ministério da Ciência e Ensino Superior (MCTES) e aos números em bruto do Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP). Felizmente, não tive de os reunir à mão: o GPEARI já fez esse trabalho por mim.

 

Ponto prévio: excluí as universidades privadas da análise. Em princípio, produzem licenciados com condições financeiras bastante melhores, com menos incentivos a inscreverem-se em centros de emprego.Isto poderia introduzir algum ruído que quis evitar. De qualquer maneira, o número de licenciados por universidades privadas é apenas um quarto do total. Talvez não faça grande diferença.

 

Como estamos a falar de jovens, olhei apenas para os recém-licenciados. O relatório do GPEARI fornece um quadro com o número de formados nos últimos três anos por cada curso. Eu juntei os cursos com designações semelhantes e, posteriormente, agreguei vários cursos em torno de 12 áreas científicas.O GPEARI já faz isso, mas usando categorias que, parece-me, escondem algumas nuances importantes. 

 

O resultado são os dois gráficos de baixo. O primeiro tem apenas os cursos com mais desempregados (tinha de ser, senão nunca mais acabava...). O segundo tem as doze áreas científicas.

 

 

 

 


Sexta-feira, 8 de Abril de 2011
Priscila Rêgo

Mentiu, mais uma vez, aos portugueses. Fez subir os juros durante três semanas para se aguentar no poleiro e poder culpar o PSD pelo pedido de ajuda externa.

 

Chegámos demasiado baixo. Senhor primeiro-ministro, com o devido respeito, pode ir para a puta que o pariu.


Quarta-feira, 6 de Abril de 2011
Priscila Rêgo

 Não há mesmo pachorra para tanta mentira.


Terça-feira, 5 de Abril de 2011
Tiago Moreira Ramalho

Quando nascemos, já tortos, como quem nunca se endireita, sabem, disseram que nunca íamos chegar a lado nenhum. Apesar de não se terem enganado, que a verdade é que estamos todos exactamente na mesma, os donos de tão felpudas línguas continuam a corresponder ao protótipo do perfeito anormal.

O facto é que se passou um ano e recebemos mais de 100 000 visitas entretanto. Nada mau, para um blogue feito por gente que, na verdade, se está a borrifar. Perdemos para blogue revelação do ano, que o lobby monárquico continua a movimentar muitos amigos no facebook, e continuamos sem receber qualquer comenda do Presidente da República. Ainda assim, continuamos contentinhos. A maioria de nós cheia de coisas para fazer. Eu sem nada para dizer. Vidas.

O interessante é que daqui a um ano, cá estaremos, se tudo correr bem, neste ou noutro blogue.


Tiago Moreira Ramalho

«Estou um bocadinho cansado da histeria do regime. Nada tenho contra insultos, apenas gosto que me revelem sinais de inteligência. “Não fui ao funeral, mas enviei uma carta a garantir que o aprovava”, escreveu Twain. “Lembrem-se que lutamos pela honra desta mulher, mais do que alguma vez ela lutou” disse Groucho Marx. “O seu problema é que lhe falta a capacidade de manter uma conversa, mas não a capacidade de falar” (Bernard Shaw). “Uma pessoa modesta, e com boas razões para o ser” (Churchill). “Ela fala oito línguas e é incapaz de dizer “não” em qualquer delas” (Dorothy Parker). “Não tem inimigos, mas é profundamente destestado pelos seus amigos” (Wilde).»

 

Luís M. Jorge, Vida Breve


Domingo, 3 de Abril de 2011
Bruno Vieira Amaral

À clássica pergunta se o eleitor compraria um carro em 2ª mão a determinado político eu respondo sempre que sim, desde que esse político não tenha experiência como vendedor de carros usados. Nos últimos dias descobri que Portugal não é, afinal, o país dos cafés; é o país dos stands de automóveis usados, semi-novos, com garantia e facilidade no crédito. Os vendedores não têm o ar higiénico e confiante dos colegas do imobiliário. Vê-se que têm muitas horas de contentores sem ar condicionado, muito sol das três da tarde na pele e no espírito, que transpira algo de réptil, muito pó da beira da estrada que lhes chega em nuvens carregadas de partículas de desencanto, muita conversa, poucas vendas, o que, tudo junto, faz com que sejam menos assertivos, mais desconfiados, com uma pontinha de desprezo na voz de cada vez que falam com potenciais clientes. Eles sabem que alguns carros de retomas não valem um caralho: estofos rasgados, retrovisores partidos, riscos e amolgadelas, grandes manchas de ferrugem. No entanto, mantêm-se ali, estátuas pacientes, a espreitar do interior dos pré-fabricados a ver se o cliente se demora, se vale o sacrifício de se levantar e de explicar, uma vez mais, os extras, as facilidades, a biografia do anterior dono, as virtudes de um veículo familiar, os custos de um carro a diesel. Quando se dão ao trabalho, entusiasmam-se. Não querem ouvir falar em pagamento a pronto, porque isso significa, regra geral, um carro baratinho: “pode dar esse dinheiro de entrada e fica a pagar uma mensalidade de 70, 80 euros, e fica muito mais bem servido com este carrinho / este aqui não tem nada a ver, estamos a falar de um carro completamente diferente, não é que o outro seja mau, mas este é um carro completamente diferente, é um carro para mais 10, 15 anos.” É então que nos arrastam para o mundo paradisíaco do crédito, das taxas de esforço, dos 48, 72 meses. Quando lhes fazemos ver que o crédito não é uma hipótese, desanimam, amuam, mostram-nos o pior carro do stand para que vejamos o que nos espera se insistirmos na loucura de não pedir o filho-da-puta de um empréstimo: “para esses valores só temos este aqui” e o carro é tão miserável que eu penso seriamente em comprá-lo como antítese da opulência que grassa nas nossas estradas. Em vez de um carro que simbolize a potência e o luxo, hei-de comprar um carro frugal, franciscano e, nas manhãs de Inverno em que tiver de o empurrar para que ele pegue, juro que não irei pensar nas facilidades bancárias dos vendedores dos stands.


Sexta-feira, 1 de Abril de 2011
Tiago Moreira Ramalho

Não sei, tal como ninguém mais sabe, o que vai acontecer com a queda do governo. Enfim, houve uma demissão e o país ainda não se eclipsou, por isso, calhando, até às eleições até somos capazes de nos manter com o narizinho acima da água, só para respirar. Nada de garantias, apenas uma suspeita. E uma afirmação clara: não somos, ainda, capazes de prever os comportamentos dos mercados financeiros, ao contrário do que achamos, por isso, mais vale abdicarmos do púlpito de esferovite e falar do que sabemos, se é que há algum assunto nessas condições.


autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds