Segunda-feira, 11 de Julho de 2011
Priscila Rêgo

Tudo aquilo que queriam saber e nunca ninguém tiveram coragem de perguntar. Aqui, no Portuguese Economy.

 

O Miguel Lebre de Freitas defende também a tese de que o alegado problema de competitividade de Portugal está mais relacionado com o Sector Não Transaccionável do que com um problema de desajustamento dos salários à produtividade. Algo parecido com o que eu defendi aqui, embora de forma reconhecidamente menos sofisticada (e a explicação também diverge a partir daí, porque ele enfatiza o papel macroeconómico do excesso de procura interna, ao passo que eu aventei a possibilidade de haver barreiras institucionais à concorrência no SNT).


8 comentários:
De Luís Lavoura a 12 de Julho de 2011 às 09:04
Não li o post do Freitas, que está escrito numa língua menos agradável, mas li o da Priscila.

A Priscila diz (corretamente) que a inflação em Portugal é mais alta do que na zona euro, e atribui isso ao setor não-transacionável da economia portuguesa, que andará a explorar "rendas".

A minha hipótese é que essa inflação mais alta deve-se em boa parte aos custos de transporte, que são maiores em Portugal do que no resto da Europa, e que têm vindo a crescer de peso no total dos custos.

Em Portugal grande parte das mercadorias são importadas. O transporte é em boa parte feito por camião, englobando portanto petróleo, que tem estado (e vai continuar) a subir de preço fortemente.

As mercadorias produzidas na Europa, que nós importamos, têm uma inflação de 2%. Mas a essa inflação é preciso adicionar os custos do transporte para Portugal, que têm uma inflação muito superior (30% ou mais). É por isso que a mercadoria chega a Portugal com uma inflação de 4%.


De PR a 12 de Julho de 2011 às 20:04
O rácio importações/PIB em Portugal é semelhante ao rácio dos restantes países europeus. Ou seja, uma subida dos custos de transporte far-se-ia sentir de forma uniforme, afectando todos os países por igual.

[E o peso dos custos de transporte no preço final seria sempre demasiado baixo para justificar esse efeito]


De Luís Lavoura a 13 de Julho de 2011 às 09:22
uma subida dos custos de transporte far-se-ia sentir de forma uniforme, afectando todos os países por igual

De forma nenhuma, porque os custos de transporte são maiores em países da periferia, como Portugal.

Muitas das importações alemãs são coisas vindas da Chéquia, ou Polónia, ou Bélgica, países que ficam encostados à Alemanha, e, embora formalmente sejam importações, na verdade as mercadorias só viajam 300 a 500 km.

Em Portugal as importações viajam 2000 km,


De Luís Lavoura a 13 de Julho de 2011 às 09:25
Já agora, os custos de transporte são tudo menos despiciendos.

A Auto-Europa, por exemplo, queixa-se muito dos custos de transporte que tem que suportar. Já pediram à CP um estudo para ver se conseguem arranjar forma de enviar os carros montados para a Alemanha de comboio, porque mandá-los de navio ou camião fica muito caro.

Note a Priscila que já há fábricas (nomeadamente de aço) que se estão a mover da China para os EUA porque os custos de transporte desde a China pesam demasiado no custo final do produto.


De PR a 13 de Julho de 2011 às 22:59
Luís, os custos de transporte andam à volta dos 5% do custo final do produto. Teria de confirmar o valor exacto nas matrizes do INE, mas assim de cabeça penso que é este o valor.


De Hugo Monteiro a 12 de Julho de 2011 às 11:45
Uma hipotética saída do Euro iria resolver, em grande parte, o problema das não-transaccionáveis, com o Imobiliário à cabeça. Os juros para o empréstimo à habitação iriam disparar, reduzindo a aquisição de casas. O sector público também ia sofrer uma enorme contracção, pois o Estado teria de cortar à bruta. Por outro lado, exportações eram incentivadas pela desvalorização cambial e o investimento estrangeiro (logo que os problemas de competitividade sejam resolvidos...).


De silva a 15 de Julho de 2011 às 23:43

CASINO ESTORIL
Quem investiga esta triste noticia para o Concelho de Cascais. Porque é que o estado não quer saber que a empresa Estoril-Sol despediu ilegalmente 112 funcionários do Casino Estoril em substituição de precários o que significa mais desempregados e desempregadas e postos de trabalho perdidos no Concelho de Cascais. Já não basta haver milhares de desempregados e desempregadas no nosso concelho agora vão juntar-se a este drama mais 112 trabalhadores.

A comissão de trabalhadores diz que a Estoril-Sol já fechou ao longo dos últimos 6 anos um total de 681 postos de trabalho. Muitas empresas em nome do lucro e camufladas pela crise vão despedindo indiscriminadamente não querendo saber das suas responsabilidades sociais.

Gostaríamos que a justiça tivesse um papel activo na defesa destes trabalhadores e dos seus postos de trabalho.

Neste sentido gostaríamos de saber:


1.Pediu - se a intervenção do governo e mais propriamente os órgãos governamentais que tutelam o sector e todos fecharam as portas PORQUÊ?


De silva a 23 de Julho de 2011 às 12:22
Que país é este que governado por políticos anormais, muitos já com a corrupção no sangue, para terem uma ideia basta ver a assembleia da república a bancada do PS é constituída por ex-governantes. Como é possível ninguém os quer para governar , mas continuam a ter um ordenado à custa do povo.
Todos falam, que tem de haver ordem com a lei do trabalho, mas para com os empresários e administradores que na maioria em Portugal são do mais anormal que existe neste planeta, pois quando estão com a má disposição o seu escape é despedir trabalhadores, ou então construir uma empresa paralela e destruir os trabalhadores com despedimentos colectivos, no qual os políticos dão total cobertura , pois respira-se trafico de influências em toda a escala.
Na justiça como diz o bastonário dos advogados “ FUJAM ” pois está em evidência o caso face oculta em que o processo para espanto de muitos tem paginas recortadas, por este exemplo está tudo dito em relação à justiça
CASINO ESTORIL
Despedimento colectivo de 112 trabalhadores no Casino Estoril
Nestas condições não constituirá um escândalo e uma imoralidade proceder-se à destruição da expectativa de vida de tanta gente ? Para mais quando a média de idades das mulheres e homens despedidos se situa nos 49,7 anos ?
Infelizmente, a notícia de mais um despedimento colectivo tem-se vindo a tornar no nosso país numa situação de banalidade, à qual os órgãos de comunicação social atribuem cada vez menos relevância, deixando por isso escondidos os verdadeiros dramas humanos que sempre estão associados à perda do ganha-pão de um homem, de uma mulher ou de uma família.
Mas, para além do quase silêncio da comunicação social, o que mais choca os cidadãos atingidos por este flagelo é a impassibilidade do Estado a quem compete, através dos organismos criados para o efeito, vigiar e fazer cumprir os imperativos Constitucionais e legais de protecção ao emprego.
E o que mais choca ainda é a própria participação do Estado, quer por omissão do cumprimento de deveres quer, sobretudo, por cumplicidade activa no cometimento de actos que objectivamente favorecem o despedimento de trabalhadores.
Referimo-nos, Senhores Deputados da República, à impassibilidade de organismos como a ACT-Autoridade para as Condições do Trabalho e DGERT (serviço específico do Ministério do Trabalho) que, solicitados a fiscalizar as condições substantivas do despedimento, nada fizeram mediante as provas que presenciaram.

A corrupção não existe, agora chama-se: Ciência Politica Utilitária


Comentar post

autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds