Quinta-feira, 8 de Setembro de 2011
Bruno Vieira Amaral

No seu livro A Doença Como Metáfora, Susan Sontag insurgia-se contra o recurso a metáforas bélicas quando se fala de doenças. Sontag pensava que essa utilização despreocupada da metáfora condicionaria a percepção que o paciente tinha da doença (um ataque, uma declaração de guerra) e do próprio corpo (um campo de batalha). Isto contribuiria para uma auto estigmatização do doente de cancro (e todos nós sabemos como ainda hoje o cancro é tão dificilmente verbalizado, encolhido no eufemismo da doença prolongada) que depois se transferiu para os doentes de Sida (A Sida e as suas Metáforas foi o livro que Sontag dedicou ao assunto).

 

Será que a doença tem um potencial metafórico bélico inato ou foi a utilização continuada da metáfora bélica que formou a nossa percepção da doença enquanto guerra? Certamente o conhecimento científico do modo como o nosso corpo se defende (já estou no domínio da metáfora) das doenças aumentou a metaforicidade da doença. Algumas pessoas vencem a batalha contra o cancro (fortes) e outras perdem-na (fracos). O sobrevivente do cancro é um vencedor, mas aquele que sucumbe ao cancro será um derrotado? Quando se sabe que uma figura pública padece de uma doença grave, a metáfora é inevitável: “x prepara-se para a maior batalha da sua vida”. No fim, quando as coisas correm mal: “Esta era uma batalha (desafio, guerra) que não podia ganhar” ou “o grande x finalmente encontrou um inimigo que não pôde derrotar”, etc.

 

Com o desporto passa-se algo idêntico. O futebol, por exemplo, é em si mesmo, no rectângulo de jogo, uma metáfora da guerra, e os próprios jogadores são caracterizados metaforicamente (defesas, atacantes, ponta-de-lança, médio defensivo, o guarda-redes que protege “o último reduto”, etc), há remates que são bombas, petardos, mísseis; há entradas assassinas (mas que não matam ninguém), ambientes infernais (mas é só barulho), equipas que sofrem baixas (mas recuperáveis a tempo do próximo jogo), toques a reunir, treinadores especialistas em levantar o moral das tropas, guerreiros do Minho, sargentões, bombardeiros alemães, setas apontadas à baliza adversária, etc, etc. Num desporto que é todo ele uma imensa metáfora porque é que o termo “desertor” causou tanta indignação a algumas pessoas? Paulo Bento respondeu à altura e justificou-se precisamente com as inúmeras metáforas à volta do futebol (algo tão natural que Ricardo Carvalho arranjou logo outra, a do mercenário, tão frequentemente utilizada). A acusação que Paulo Bento ter-se-á excedido ao usar uma linguagem militar não é ofensiva, mas simplesmente estúpida. Paulo Bento limitou-se a esticar o potencial metafórico do futebol para cobrir uma situação concreta e pouco habitual. Porque no imenso parque de diversões metafórico que é o futebol àquilo que Ricardo Carvalho fez chama-se deserção. Ao contrário do que se pode pensar, Paulo Bento não teve um excesso de imaginação militar. Limitou-se a falar na língua que mais bem domina, o futebolês.


6 comentários:
De Miguel Madeira a 8 de Setembro de 2011 às 15:21
Talvez seja mais que metáforas, e o futebol (e os desportos de equipa em geral) sejam mesmo uma forma socialmente aceitável de adultos e adolescentes brincarem "às guerras".


De Bruno Vieira Amaral a 8 de Setembro de 2011 às 15:42
Mais exatamente uma metáfora de elevado potencial terapêutico, socialmente falando. Ou, aqui vai outra, a metadona para sociedades outrora dependentes de guerras. qualquer coisa assim


De PR a 8 de Setembro de 2011 às 20:24
Acho que se fosse isso seria de esperar uma subida a pique da prática de desporto à medida que as sociedades se tornam menos violentas. E penso que não é isso que se verifica.


De Bruno Vieira Amaral a 9 de Setembro de 2011 às 09:26
Não iria tanto para a prática do desporto (a sociedade toda a praticar desporto), mas para a transferência de um belicismo não resolvido para um campo de futebol, por exemplo, ou para uma partida de xadrez. Estou a pensar nos casos evidentes do Inglaterra-Argentina (qualquer um, mas o de 86 muito particularmente) ou do Spassky-Fischer. Ou, num caso mais próximo, a tensão pós-colonial de um jogo particular entre Portugal e Angola, em 2001 (?), que só por acaso não acabou com mortos em campo.


De شات دقات قلبي a 12 de Janeiro de 2015 às 06:59
بب


De detectives privados a 29 de Novembro de 2011 às 02:06
Oi mt obrigado. adorei re-ler aquele artigo ficou engraçado.. considermo-me guest frequente 100% no blog.. cmprmentos


Comentar post

autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds