Quarta-feira, 5 de Outubro de 2011
Bruno Vieira Amaral

Na polémica inaugurada por Maria do Rosário Pedreira, no blog Horas Extraordinárias, a propósito de uma crítica de José Riço Direitinho ao novo romance de Valter Hugo Mãe, reparei no comentário (e já são mais de oitenta) da leitora Carla Ferreira. Diz isto: “Poderá servir (a crítica), para nos situar na história do livro daquele autor, e nunca para julgar o que lá expõe, que pode ser perceptível ou não ao crítico, depende.” Depreende-se, pois, que a crítica é aceitável desde que seja feita ao nível dos textos de badana e contracapa, isto é, que sirva de bússola para “situar” o leitor, mas que nunca se atreva a querer ser farol para o iluminar. Lembrou-me este comentário um post publicado pela autora do blog há uns meses. Nele, insurgia-se, e com razão, contra alguns textos de divulgação de livros em que pouco mais se faz do que reproduzir por outras palavras a informação da badana e da contracapa. Critica-se a crítica por ser crítica, por julgar, e criticam-se textos que se fazem passar por crítica mas que, na verdade, não julgam, reproduzem.

 

A questão com a crítica de José Riço Direitinho é diferente, porque a mesma não é discutida no post de Maria do Rosário Pedreira. Fala-se na indignação de algumas pessoas pela parcimónia na atribuição de estrelas ao romance de Valter Hugo Mãe e a autora até sugere que o crítico, por ser também escritor e concorrente do outro, não deveria ter escrito sobre o livro para evitar que pessoas atribuam a crítica negativa a dor de cotovelo e rivalidade. Sobre aquilo que JRD escreveu nada se diz. Mas creio que ainda há uma grande diferença entre pessoas que se indignam com estrelinhas sem terem lido o livro (e provavelmente sem terem lido os livros de José Rodrigues dos Santos e de Mónica Marques que mereceram mais estrelinhas de outros críticos do Público), entre pessoas que vêm logo falar de rivalidade e dor de cotovelo, e um crítico que assina com o nome e que toda a gente sabe que é escritor (e podemos até ignorar que alguns dos críticos mais conhecidos são romancistas/poetas com obra publicada e menciono apenas quatro: Eduardo Pitta, José Mário Silva, Miguel Real e Pedro Mexia). A crítica só vincula quem a escreve. Da mesma forma, as acusações de rivalidade, de ajuste de contas e de inveja, ou em alternativa, as de lambe-botismo, amiguismo e fellatios literários, só descrevem as pessoas que as proferem. Uma coisa é certa: quando se lê uma crítica, não se está a consultar o oráculo de Delfos ou a subir ao Monte Sinai para regressar com as tábuas da Lei. Lê-se a opinião de alguém, uma opinião parcial, subjectiva, condicionada pelas leituras (que podem ser mais ou menos do que as do autor), pela cultura, pelos preconceitos, pelo gosto e até por aquilo que se comeu ao almoço ou por quem se comeu a noite passada, ou seja, a opinião de um indivíduo. Até aquilo que se espera de um escritor influencia a crítica: pode-se ser mais exigente com um grande autor do que com outro de quem nada se espera. É por isso que a crítica é assinada por alguém e não é reclamada por um colegiado de sábios. É por isso que um crítico dá cinco estrelas a um livro e outro dá uma bola preta ao mesmo livro.

 

No nosso pequeno meio, uma crítica negativa gera sempre discussão, mas normalmente pelos motivos errados: fazem-se processos de intenções, contabilizam-se agravos passados, alguém recorda um episódio obscuro entre crítico e escritor, esquadrinha-se a vida privada de cada um, mencionam-se invejas por prémios atribuídos, desentendimentos na fila do supermercado, estado civil, preferências sexuais, etc. Que o que está escrito seja a opinião livre de alguém que assina com o próprio nome e que, dessa forma, leva a jogo a sua honestidade intelectual e o seu trabalho é coisa pouco valorizada. O que interessa é falar das intenções subterrâneas, de jogadas de bastidores, dos ódiozinhos. Se formos por aí, a discussão arrisca-se a ser longa e desagradável e, aliás, até pode começar por onde tudo começa, pela publicação de um livro (porque é que uns são publicados e outros não),  passar pelo interesse mediático (porque é que um romancista estreante dá cinco entrevistas e outro não tem sequer direito a uma notícia) e acabar na atribuição de prémios (porque é que uns ganham mais prémios do que outros). Mais vale fazer de conta que vivemos no melhor dos mundos e que tudo isto tem apenas a ver com a qualidade do livro e não com factores extra-literários. Porque, a haver alguma discussão, não é justo que, sendo possível atirar tanta lama para cima de tanta gente e esconder a mão, havendo tantos factores a contribuir para o sucesso ou insucesso de um livro, para o reconhecimento ou esquecimento de um escritor, só as motivações do crítico/escritor sejam escrutinadas.


9 comentários:
De Eduardo Pitta a 6 de Outubro de 2011 às 00:41
Muito bem! De facto, «A crítica só vincula quem a escreve.»
Abraço


De monge silésio a 6 de Outubro de 2011 às 02:09
O Bruno teceu um texto que descreve uma realidade que a grande maioria dos portugueses não percebe.

Por via de regra, em vez de se agarrar no texto (no que se diz, na matéria) ou no facto (a ocorrência como a olhamos ou ouvimos), exterioriza-se o lateral, o inútil ou o "jogo da intenção" (qual a intenção do emissor?), e neste último campo, o jogador ("crítico", "achador") julga-se no direito de "saber dos outros tal como eles (pensa ele) são".

Não é preciso muito para se perceber que não progridem, e vão cultivando o gerúndio do verbo ignorar.

Pois o seu solipsismo não pode ter outro resultado.

O crítico diz, assinando um mundo que é o seu, feito por si e a si imputável.

Assim, só com objectividade ((ob-jectiv, fora do sujeito)idade) das razões da crítica haverá progresso...

Parabéns pelo seu escrito, julgadores deste País, seja do Direito ou da Arte deveriam ler!

Torcato Guimarães



De Tiago Falcoeiras a 6 de Outubro de 2011 às 18:12
Comentando lateralmente, há uma coisa a que me habituei, ler todas as críticas possíveis (leio maioritariamente críticas literárias e cinematográficas) mas vou fazendo um crivo, vou aproximando a minha opinião (quando possível) à opinião do crítico.
Encaro o crítico (normalmente) como alguém que me dá a sua opinião, segundo as suas idiossincracias, até pode dizer mal do livro, mas deve fundamentá-las.
Quem fala de crítica literária fala de crítica de cinema, comparem-se as diferenças de estrelas entre os críticos do Público e os do Expresso. Todo o filme com efeitos especiais apanha 2 estrelas, tudo o que é indie ou africano apanha com 4 estrelas, preciso de perceber o crítico para avaliar a sua crítica.
Vou fazendo triagem, obviamente que há compadrios, amizades, mas se as pessoas são sérias... O NY Book Review não é maioritariamente escrito por escritores? Não são também os pares que avaliam aquilo que lêem?
Parece-me que o crítico literário deve fazer mais do que indicar a sinopse do livro, mas olhemos para as "revistas e suplementos literários" em Portugal, todos os que escrevem nestes fazem verdadeira crítica literária?


De José António Abreu a 10 de Outubro de 2011 às 11:09
Não posso concordar, Bruno. A Maria do Rosário tem razão. Escritores só devem criticar obras de autores muito mais novos. Permitir outra coisa dá azo a aberrações. Apenas um exemplo: o descaramento do Foster Wallace em opinar negativamente sobre um livro do Updike. Inveja, pura e simples.


De Bruno Vieira Amaral a 10 de Outubro de 2011 às 12:04
Isso é fácil de resolver. Para isso é que servem os pseudónimos. Agora a sério, acho que escritores que escrevem sobre escritores deviam levar chibatadas.


De José António Abreu a 10 de Outubro de 2011 às 12:15
"Agora a sério" é a brincar, não é?


De Bruno Vieira Amaral a 10 de Outubro de 2011 às 12:25
É. E o comentário sobre o Foster Wallace e o Updike também é, não é?


De José António Abreu a 10 de Outubro de 2011 às 12:54
Não.*

* Sim.**

** Deve ser considerada como verdadeira a resposta dada na primeira nota de rodapé.***

*** Sorry; sendo o tema DFW, não resisti.


De Bruno Vieira Amaral a 10 de Outubro de 2011 às 13:12
Compreendo. Não é fácil resistir a essas ofertas de estilo.


Comentar post

autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds