Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011
Tiago Moreira Ramalho

«O meu avô, comunista dos quarenta e sete costados, ensinou-me a "desconfiar do Poder" (assim mesmo, com uma maiúscula sublinhada por aquele vozeirão). Para o meu avô, o "Poder" estava nos banqueiros. É verdade que encontrei caminhos distintos do meu patriarca barbudinho, mas acabei por seguir o conselho avoengo: um brutal cepticismo, ontologicamente colado à minha pele semi-alentejana, leva-me a desconfiar de banqueiros e do crédito. E desconfio dos bancos pela mesma razão que desconfio dos partidos: o poder, seja ele político ou financeiro, deve ser olhado de esconso. O céptico, alentejano ou não, nunca baixa a guarda. Neste sentido mui visceral, nunca pedi dinheiro emprestado e, acima de tudo, não gosto de ver o meu país a viver do crédito, fingindo que é um sultanato mediterrânico. É por isso que defendo a imposição de um teto constitucional que limite o acesso de Portugal aos mercados da dívida.

Sendo um esquerdista coerente, o meu avô era ainda mais radical do que eu. Para ele, a constitucionalização do limite da dívida não seria suficiente. Apenas a proibição do acesso aos mercados poderia satisfazer o meu ancião. O mestre Raposo detestava os mercados, logo, queria impedir que Portugal pedisse dinheiro a esse capitalismo global. "Não pedes dinheiro ao demónio quando sabes que ele é o demónio", dizia ele. Devidamente imune ao materialismo histórico, esta teodiceia raposiana era coerente. O Sôr Agostinho não era louco, era apenas coerente com as suas crenças, isto é, queria um Portugal fechado, a viver do que tinha, sem a loucura dos dinheiros emprestados pela "agiotagem", recebendo apenas ajuda dos países amigos, como o Laos ou Coreia do Norte (desculpe, avô, mas já não há a Checoslováquia).

Posto isto, o meu avô não reconheceria a esquerda de hoje, a começar pelo PCP. Os herdeiros de Cunhal são contra a constitucionalização da dívida. O PCP, que devia ser o primeiro a tentar separar Portugal dos maléficos mercados, não quer esta medida. E, para mal dos nossos pecados, o centro-esquerda não parece muito distante desta posição. Quando defendeu o teto constitucional, Luís Amado foi rotulado de "neoliberal" pelo PS. A hipocrisia é notável: de manhã, o dr. Soares & afilhados dizem que o mercado financeiro é o demónio global, o sicário universal dos povos; depois, à tarde, os mesmos socialistas não apoiam a limitação do acesso a esse temível mercado. Então como é? Como é que ficamos? O problema é que a governação socialista depende dos mercados. O problema é que o socialismo local tem sido financiado pelo capitalismo global. Este é, aliás, um dos segredos de polichinelo do nosso tempo: sem os mercados, sem o "capitalismo de casino", a esquerda não sabe governar. A esquerda tem financiado a sua "justiça social" com o dinheiro da "malévola especulação". A crise de hoje representa o corte deste cordão umbilical omnipresente, mas nunca comentado (é segredo, avô). Sem o acesso ao reino das agências de notação, a esquerda está a ficar desorientada, sem bússola. Era por isto que o meu avô não queria a esquerda viciada nos mercados. É por isto que a esquerda precisava de ler as prosas que o grande Agostinho Raposo deixou lá nas terras situadas entre o Sobralinho e a Pouca Sorte.»

 

Henrique Raposo


4 comentários:
De Nroque a 19 de Outubro de 2011 às 14:12
O Poder, na sua forma e formulação ontológica e antropológica, por isso necessariamente revisto nos vários quadros da história, deve ser ponderado à luz da dúvida. Não, exclusivamente, o poder político e financeiro, mas o Poder na sua forma mais genérica e transversal. Se me permitem, abusando da abstracção, todo o Poder o é por isso mesmo, portanto, com maior ou menor predisposição para o cumprimento do seu significado e significância, representa sempre uma filosofia dual e permissiva de se colocar num limbo entre o bem e o mal, seja lá o que isso for.

Assim, o Poder é um conceito excessivamente abstracto e simbólico, que só permanece enquanto vocábulo ou fórmula na exacta proporção da legitimidade e legitimação que se lhe reconhece. E aqui, por muito resumido que seja o que escrevo, reside a constatação mais óbvia do que articula no texto.


De manuel.m a 19 de Outubro de 2011 às 23:18
O capitalismo é uma corrida que os ricos ganham sempre .


De Semi-beirão a 20 de Outubro de 2011 às 00:50
Adoro o "teto constitucional".


De André Miguel a 22 de Outubro de 2011 às 20:09
Eu costumo dizer que o socialista é aquele que joga no casino do capitalista com o dinheiro dos outros. E à saída reclama porque perdeu dinheiro.


Comentar post

autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds