Segunda-feira, 24 de Outubro de 2011
Bruno Vieira Amaral

Perante as imagens dos últimos momentos do coronel Khadafi - impotente, ensanguentado, a pedir clemência – a nossa moralidade flexível socorre-se de ensinamentos bíblicos (quem mata pela espada, etc.) e de uma ideia de justiça poética, de equilíbrio cósmico entre a vida que se leva e o fim que se tem. Ora, é precisamente a natureza daquelas imagens que me leva a pensar no absurdo dos conceitos de justiça e política, de bondade e, por estranho que possa parecer, de clemência. Absurdo aquele espectáculo de sede de sangue, primitivo e tribal, comparado com a respeitabilidade desejada por um Conselho Nacional de Transição de fato e gravata, sóbrio e sério, a acalmar o mundo e a proclamar a libertação do povo líbio. Que palavras são estas: Conselho Nacional de Transição, democracia, eleições, justiça? Onde é que, nessa linguagem tranquilizadora e grandiosa, prenhe de futuro e de ordem, se enquadra a morte de um homem daquela maneira? A natureza humana em acção, sem freios morais, indiferente à benevolência da linguagem, assusta. Não cabe nos livros, nem sequer em palavras que pensamos duras: ódio, violência, barbárie. A natureza humana que mata um homem daquela forma não conhece barreiras ou limites, é apenas um desejo de morte em movimento. Esperar que, Khadafi, uma vez capturado, tivesse um fim diferente, é ter mais fé nas palavras do que nos homens. E a única palavra que aqueles homens podiam dizer naquele momento era “morte”. Esqueçam justiça, liberdade, futuro. Morte. Não havia ali mais nada. Morte. Nada do que ali se fez serve para a reivenção do país. Morte. Viva a morte!


4 comentários:
De iupi a 24 de Outubro de 2011 às 14:10
"Viva Espanha! Viva o Rei! Viva a morte! Viva a Legião!"
José Millán-Astray (1879-1954)


De jpm a 24 de Outubro de 2011 às 18:47
A citação não é esta :: "viva la muerte y muera la inteligencia" ?


De iupi a 25 de Outubro de 2011 às 09:26
também poderá ser essa.
'viva a morte' é concerteza - foi dita ante Miguel Unamuno, para sua indignação.
a que eu transcrevo acima é retirada d 'Autobiografia do General Franco' de Manuel Vázquez Montalbán.


De Nuno Gaspar a 24 de Outubro de 2011 às 16:04
Oxalá que quem publicamente mostrou regozijo pela morte de Kadafi não venha a ter muitas saudades dele.


Comentar post

autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds