Terça-feira, 22 de Junho de 2010
A Douta Ignorância

 

José Eduardo Agualusa é o nosso primeiro entrevistado fora da blogosfera. É um dos mais importantes romancistas africanos, embora a sua obra possa ser considerada como um produto genuinamente atlântico. O regime angolano não beneficia da indulgência de Agualusa, ao contrário do A Douta Ignorância, um blog que não tem petróleo, que não silencia as vozes críticas (a não ser a de comentadores chatinhos) e que não entrega a gestão dos posts a familiares.

 

Os seus romances são transatlânticos, miscigenados, do manejo da língua à localização da acção. A lusofonia é identidade ou marketing?

Nem sei ao certo o que é a lusofonia, parece-me um daqueles conceitos elásticos, que cada qual entende à sua maneira. Os meus romances são, como é natural, um resultado do meu próprio percurso. Esse percurso foi, tem sido, escolha e acidente. 

 

Disse, a propósito do Acordo Ortográfico, que Portugal tem um «enraizado sentimento imperial». O que o leva a pensar tal coisa?

O alarido que o referido acordo provocou em Portugal. Participei em inúmeros debates sobre o mesmo e recordo-me perfeitamente de um deles, na casa Fernando Pessoa, durante o qual um imbecil na plateia começou a gritar "a língua é nossa!". É a isto que chamo sentimento imperial. 

 

Numa entrevista à Ler, falava com alguma condescendência sobre Mia Couto, felicitando-o por se libertar das doenças infantis do trocadilho e do neologismo. Há aí uma rivalidade latente?

Pelo amor de Deus, o Mia é tudo o que eu gostaria de ser se tivesse nascido em Moçambique. É o meu melhor amigo. Ele tem arriscado novas formas de maneira extremamente corajosa. O Mia é um caso raro de sucesso de público e de crítica a nível internacional. Podia deitar-se a dormir, mas prefere arriscar e tentar novas formas.

 

A fotogenia é fundamental para o sucesso literário?

O contrário. O sucesso, literário ou qualquer outro, é importante para o reconhecimento da fotogenia. 

 

Num inquérito da revista New Yorker a 20 vozes com menos de 40 anos, o único escritor lusófono citado como influência é o José Eduardo Agualusa. O reconhecimento dos pares é o mais importante?

Claro, embora dependa dos pares. 

 

Angola é uma democracia embrionária ou uma ditadura moribunda?

Tenho a sensação que é um país que caminha a passos firmes para uma ditadura sólida, para o que conta com o apoio de Portugal, e de muitas outras democracias ocidentais. 

 

Viver a maior parte do tempo em Portugal não o desautoriza enquanto voz crítica do regime? É mais fácil criticar quando se está longe?

O que caracteriza os regimes totalitários é precisamente isso  - é mais fácil critica-los quando se está longe. Não pretendo ser uma autoridade, apenas um cidadão preocupado com os destinos do seu país, e prefiro estar preocupado, mas livre, numa situação em que consiga expressar essas minhas preocupações, e ser escutado dentro e fora do país. 


autores

Bruno Vieira Amaral

Priscila Rêgo

Rui Passos Rocha

Tiago Moreira Ramalho

Vasco M. Barreto

comentários recentes
Great post, Your article shows tells me you must h...
You’ve made some really good points there.I looked...
دردشة سعودي ون (http://www.saudione.org/) سعودي و...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
http://www.chat-palestine.com/ title="شات فلس...
شات فلسطين (http://www.chat-palestine.com/) دردشة ...
كلمات اغنية مين اثر عليك (http://firstlyrics.blogs...
o que me apetecia ter escrito. mas nao o faria mel...
good luck my bro you have Agraet website
resto 5resto ya 5waga
posts mais comentados
125 comentários
114 comentários
53 comentários
arquivo

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

links
subscrever feeds