Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

Divergência em Economia II

Priscila Rêgo, 20.10.10

Isto explica uma parte da divergência entre economias. A outra parte explica-se pelo facto de muitas vezes se misturar crenças positivas acerca da Economia (economics) com ideias normativas acerca de como a economia (economy) deveria funcionar. Esta é uma confusão muito comum. A Teoria Económica permite perceber quais os efeitos do salário mínimo no desemprego, mas não permite saber se estes efeitos são desejáveis ou não. Isto é um julgamento puramente moral.

 

Em campos onde não haja grandes cisões ideológicas, isto não levanta problemas. A maior parte das pessoas concorda que o roubo é moralmente inaceitável, razão pela qual a existência de polícia e forças armadas não costuma ser um ponto de debate. Mas há zonas cinzentas em que há clivagens constante, como a questão de decidir se é mais importante o direito do rico a ter propriedade privada ou o direito do pobre a ter refeição em cima da mesa. Decidir a política redistributiva do Governo implica ter uma ideia positiva acerca do impacto dessa política e uma ideia normativa acerca do que é desejável. Frequentemente, a divergência é lida como emergindo de diferenças em relação à primeira ideia, quando na verdade resulta de diferenças em relação à segunda.

 

Há um efeito de selecção adversa que ajuda a propagar esta confusão. A maior parte das pessoas não tem, compreensivelmente, tempo, disponibilidade ou paciência para aprender a Economia dos manuais (tal como eu não tenho pachorra para aprender Direito ou Arte Moderna). O contacto que têm com a Economia é por isso maioritariamente feito através do discurso político – através de pessoas ideologicamente afastadas (o que amplia o efeito descrito nos primeiros parágrafos), com um interesse especial em evidenciarem essas diferenças e com uma tendência natural para martelar a Teoria até que ela se enquadre nos seus preconceitos ou justifique as suas políticas.

 

A ideia que isto passa é que a Economia é como as vaginas: cada uma tem a sua – e quem quiser dá-la, dá. Mas do facto de benfiquistas e portistas não se entenderem em relação às decisões do árbitro não se segue que não haja regras objectivas que norteiam o futebol. Simplesmente estamos a tentar inferi-las da pior forma possível.

 

Aliás, é curioso que esta diferença subtil passe despercebida à própria classe política. O debate em torno do salário mínimo é o exemplo clássico. A Esquerda diz que ele aumenta os rendimentos e não aumenta o desemprego; a Direita diz que ele só aumenta os rendimentos de quem não cai no desemprego. Isto é uma divergência em relação ao funcionamento positivo da economia. Mas a maior parte dos políticos apresenta a divergência como uma questão ideológica e de valores. Acontece que se a divergência fosse normativa, não estariam a discutir Economia, mas sim Filosofia Moral.

 

Há duas explicações possíveis para este disparate: os agentes políticos podem pura e simplesmente não perceber a diferença entre juízos normativos e positivos, o que é mau; ou talvez prefiram chutar a bola para o campo da ideologia na esperança de que isso os desobrigue de apresentar justificações racionais para as políticas que defendem. O que também é mau.

3 comentários

Comentar post