Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

Ora vão lá ler isto, p.f.

Priscila Rêgo, 02.01.11

A honra de primeiro a ser recomendado em 2011 vai para o Avelino de Jesus, cronista do Jornal de Negócios.

 

O ambiente, tanto intelectual como institucional, para acolher os doutores como empresários é péssimo. Como o sistema de ensino superior não pode crescer ao mesmo ritmo da formação de doutores, o estatuto social - e sobretudo económico - dos doutores conheceu uma quebra substancial. Criaram-se subsídios de desemprego disfarçados na forma de bolsas de pós-doutoramento e o sistema científico cresceu e acolheu alguns. Mas, nunca se apontou a esta formidável população o caminho do empresariado. Ambicionam - e prometem-lhes - lugares no quadro das universidades públicas como docentes ou investigadores. Para os mais atrevidos, acenam-lhes lugares de administradores dos institutos e fundações públicas, entretanto generosamente criados em farto número.

 

 

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    PR 03.01.2011

    «O que acontece é que, nesses países, os empresários contratam doutores para as suas empresas. É isso que deveria acontecer, mas não acontece, cá.»

    Concordo com o diagnóstico, mas discordo da prescrição. Penso que a solução não é promover os doutores a empresários, ou enfiá-los à força nas empresas privadas, mas sim deixar de desvirtuar o mercado da educação com subsídios e bolsas a torto e a direito.

    A "aposta na educação" está a ter como único resultado a formação excessiva de doutorados, que têm posteriormente de ser "absorvidos" em Universidades e Institutos Públicos.

    Claro que por agora isto é só uma conjectura, mas estou a recolher dados para escrever alguma mais fundamentada sobre isto.

  • Sem imagem de perfil

    Luís Lavoura 03.01.2011

    "deixar de desvirtuar o mercado da educação com subsídios e bolsas"

    Concretamente, refere-se apenas às bolsas para mestrado e às bolsas para doutoramento, ou a alguns outros subsídios (?) e bolsas?
  • Sem imagem de perfil

    PR 03.01.2011

    "Concretamente, refere-se apenas às bolsas para mestrado e às bolsas para doutoramento, ou a alguns outros subsídios (?) e bolsas?"

    Como princípio geral, às bolsas de mestrado, de doutoramento e a outros subsídios e bolsas; no caso específico referido pelo AdJ, apenas às duas primeiras.

    Mas note que eu não tenho dados a sustentar o que digo. A ideia de que este tipo de verbas tem estado a aumentar vem de:

    a) ver o Sócrates a anunciar recorrentemente que o Estado está a gastar mais com estudantes, I&D, etc. [o que não é garantia de muito]

    b) constatar um aumento muito grande do número de doutorados. Duvido que os portugueses estejam dispostos a pagar PhD do seu bolso.

    c) observação casual da situação de amigos e colegas.

  • Sem imagem de perfil

    Luís Lavoura 04.01.2011

    Os dados sobre número de bolsas concedidas (e de títulos obtidos) são fáceis de obter na Fundação para a Ciência e a Tecnologia, que é quem fornece essas bolsas. Fica na avenida D. Carlos I, junto à Assembleia da República. Eles têm todo o gosto em divulgar aos quatro ventos esses dados.

    Os mestrados são, penso eu, obtidos em grande parte a expensas dos próprios mestrandos. Em boa parte porque podem levar, creio eu, a promoções salariais na Função Pública. (Trata-se de uma forma indireta de subsídio - quem tenha um grau académico sobe automaticamente de posto.) A FCT concede relativamente poucas bolsas para mestrado.

    O número de bolsas para doutoramento é efetivamente elevado, embora nos últimos anos não tenha crescido, penso eu. Uma perversão do sistema é que concedem muito facilmente bolsas para doutoramento no estrangeiro, subsidiando assim a fuga de cérebros.

    Faço notar que boa parte do dinheiro gasto pelo Estado português em I&D provem da União Europeia, para colmatar o nosso atraso no setor (e para subsidiar a fuga de cérebros, que beneficia parcialmente a Europa). O Estado português tem mesmo que subsidiar a I&D se não quiser perder esse dinheiro.
  • Sem imagem de perfil

    PR 04.01.2011

    Obrigado.

    Só duvido de que as bolsas para PhD se tenham mantido constantes. Como explicar a subida abrupta do número de doutorados?

    Quanto aos mestrados, eu referia-me aos "antigos" mestrados (pré-Bolonha). Julgo que esses eram mais "elegíveis" para efeitos de atribuição de subsídios.

    Mas, como disse, ainda estou em fase de "prospecção" :)

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.