Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

O meu voto

Bruno Vieira Amaral, 05.01.11

O discurso de Cavaco Silva toca o coração anémico dos portugueses. Nada de experimentalismos, deixemo-nos resvalar para o abismo, mas sem solavancos, por favor. Nada de incomodar Merkel, Sarkozy, os mercados, as seguradoras, os presidentes que fazem pouco do nosso Chefe de Estado e do país. Não há nada a fazer, a não ser comer – pouco – e calar – tudo. Eleja-se, então, Cavaco, símbolo inatacável de seriedade (escrevo-o sem ironia), do sossego e da resignação. Os adversários são fracos, tão fracos que já se vê por aí a periódica boa vontade que é dispensada aos candidatos comunistas. As artroses do discurso de Francisco Lopes são esquecidas em favor da sua preparação (?), como foram, em devido tempo, celebradas a autenticidade e a afonia de Jerónimo e a coerência de Cunhal. Manuel Alegre é uma impossibilidade política, um candidato apoiado por este PS e pelo único BE que existe só pode acabar em anedota, em moeda ao ar. Nenhum dos partidos mostra o mínimo entusiasmo: o BE porque perdeu o exclusivo e porque sabe que, com o apoio do PS, Alegre tem de ser menos Bové e mais comprometido, mais sistémico; o PS porque se sente mais confortável com Cavaco. Defensor Moura é um curandeiro de autarquia a querer fazer transplantes de rins. Já teve tempo de antena, já ganhou as suas eleições. O mesmo se diga do alucinado Coelho, vindo do bananal da Madeira apenas para servir de antítese perfeita à seriedade hierática de Cavaco. São os extremos de uma palhaçada inócua que tem a virtude de mostrar até que ponto os portugueses baixaram os braços, cansados de maus governantes que nos guiaram nas águas mansas do crédito fácil, e que nós todos seguimos, para nos deixarem no pântano que agora acreditamos ser o nosso destino inelutável. Os gregos andam lá a soltar as fúrias, nos por cá andamos a encolher ombros, numa resignação mórbida e bovina, que, como disse Manuel Villaverde Cabral, dura porque os papás aguentam. Quero eu bombas e cocktails molotov em Lisboa, ministros agredidos? Deus me livre, que a nossa esquerda radical nem para isso serve. Mas há limites. Cavaco que me desculpe, mas criticar a actual administração de um banco que, durante anos a fio, foi gerido pelos Dalton e pelos Metralha é de uma desfaçatez indecorosa. Há cinco anos votei em Cavaco. Desta vez não terá o meu voto. Vou votar em Fernando Nobre. Por um único motivo: é o único candidato que tem alguma coisa a perder. É pouco? Talvez seja. Mas nenhum dos outros pode dizer o mesmo. Nobre arriscou, pôs a carne toda no assador e é muito provável que saia chamuscado. Se lhe serve de consolação, já ganhou um voto.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.