Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

Enrascados

Tiago Moreira Ramalho, 14.03.11

Parece que a minha geração está à rasca. Tal como estava a anterior e a anterior e a anterior à anterior. Não aprendeu ainda essa elementar lição: nunca deixaremos de estar, pelo menos no nosso entendimento, à rasca.

De qualquer modo, é sempre bom analisar o enrascamento da minha geração. A minha geração enrascada é a geração que produz centenas de antropólogos todos os anos, outras centenas de arqueólogos, mais uma pilha de sociólogos, três camionetas de psicólogos além dos já habituais nas artes plásticas e afins. Leitor, que não seja eu acusado de menorizar estas tão excelentes áreas do saber. Longe de mim, que sou essencialmente amigo de toda a gente. Não pode é o arqueólogo querer fazer escavações no Vale do Cávado só porque sim. Não pode é o artista plástico exigir que lhe arranjem um emprego se não há necessidade de artistas plásticos. Não pode é o psicólogo querer doentes se os não há em quantidade.

A geração que está à rasca é, essencialmente, a geração que se deixou enrascar. E agora só tem um remédio: adaptar-se. Porque não vai haver doentes para os psicólogos, não vai haver institutos de investigação para os antropólogos e por aí fora. Ou é isso, ou é call center. Não é por mal, mas é mesmo assim.

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Miguel Madeira 14.03.2011

    Há alguma prova real que os psicólogos sirvam para alguma coisa?

    Ou, por outras palavras, há alguma prova que as principiais teorias da área (e, portanto, a prática feita a partir dessa teoria) estão correctas?
  • Imagem de perfil

    Priscila Rêgo 15.03.2011

    Miguel,

    Penso que grande parte da procura de psicólogos é "artificial". Por exemplo, o Estado "obriga" as escolas a terem psicólogos, emprega psicólogos em vários departamentos, etc.

    Isto bate certo com dois tendências aparentemente contraditórias:

    a) elevadas médias de entrada, pelo menos quando eu andava na Universidade [há 2/3 anos]. Os salários são artificialmente altos. Conheço duas ou três pessoas de psicologia que conseguiram ganhar, à saída da formação, salários (tabelados, claro) na ordem dos 1500/1600€.

    b) elevado desemprego. Com o Estado a "apertar" nas novas contratações, a fonte seca e grande parte da nova fornada de licenciados não é absorvida pelo mercado de trabalho.

    Mas é só conjectura, claro.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 15.03.2011

    "Mas é só conjectura"
    Pois, Priscila, também me parece que a menina e os seus "clegas" de blogue não fazem a ideia de nada sobre o que escrevem.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.