Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

Salários - só mesmo para acabar

Priscila Rêgo, 15.06.12

Maria João Marques não está convencida de que uma descida de impostos financiada por cortes na despesa pública tenha um efeito contraccionista na economia. E escreve:

 

“No curtíssimo prazo, há inúmeros efeitos de sentido contrário a agirem simultaneamente. O mais provável é que os efeitos se compensem e a produção fique na mesma ou com variações negligenciáveis num ou noutro sentido. Aos que presumem poder prever que efeito imediato este corte de imposto teria na procura e nos ordenados, deseja-se boa sorte”.

 

Mas este corolário é apresentado depois de uma exposição de cenários que é, no mínimo, enganadora.

 

Por exemplo, não há razões para esperar que, se as famílias pagarem as suas dívidas às empresas portuguesas, a procura destas últimas aumente (as empresas também estão, elas próprias, a desalavancar). Pela mesma ordem de razões, também não é expectável que uma redução de impostos sobre o capital, que aumente o rendimento disponível das empresas, seja usada para aumentar a procura. O dinheiro fica apenas a circular entre sectores (Governo, empresas, famílias, bancos), sem alimentar a procura e destruindo, no processo, parte da actividade económica. 

 

Portanto, o espectro de resultados possíveis não é um cenário em que a produção cai um poucochinho e um cenário em que a produção aumenta um poucochinho. É um cenário panglossiano em que tudo corre pelo melhor e a actividade se mantém, e um cenário realista em que a actividade cai, e cai a sério. Resta apenas determinar a magnitude desta queda, bem como a sua duração – que não será certamente de “curtíssimo prazo”, a julgar por todos os estudos empíricos realizados neste domínio. 

 

Felizmente, não precisamos de levar a “imaginação aos limites” para cenarizar e explorar as consequências de cada política. Este é o tipo de coisa que o Banco de Portugal faz regularmente, e que pode ser consultada pelo público em geral (exemplo). 

Baixar salários III

Priscila Rêgo, 13.06.12

O curioso é que a ideia de que os salários são uma variável de ajustamento essencial no curto prazo está presente num dos primeiros parágrafos da Maria João Marques, quando diz que “tem sido comum nas empresas privadas nestes últimos anos a contenção salarial, quando não mesmo o congelamento dos salários nominais (o que implica a descida dos salários reais) ou a diminuição de prémios de produtividade e outras regalias”

 

 

 

Baixar salários II

Priscila Rêgo, 13.06.12

Já fizemos a distinção, que é importante reter, entre produtividade e competitividade. A Maria João Marques argumenta, repetindo o que já ouvimos noutros lados, que o problema não está nos salários. “Só alguém alucinado pode supor que o problema dos salários é o fulcro da falta de competitividade nacional”. Ela refere outros factores como o Estado gordo, leis absurdas, a hiper-regulação, a legislação laboral, a TSU e a administração fiscal.   

 

 

 

 

 

 

Descer salários I

Priscila Rêgo, 13.06.12

A Maria João Marques e o João Miranda estão a discutir uma descida de salários no sector privado (aqui, aqui, aqui, aqui e aqui). Evitando alguns dos caminhos por que o debate seguiu – assim de cabeça não me parece muito relevante discutir o “multiplicador dos gastos públicos” – queria deixar aqui umas pinceladas. Para não maçar ninguém, a série é dividida em três partes.

 

 

  

Re: (...) Desemprego

Priscila Rêgo, 08.06.12

Acerca da discussão entre as causas do desemprego (ver João Miranda e Miguel Madeira), o Carlos Novais diz o seguinte:

 

Quando a economia entra em recessão, a massa salarial tem necessariamente de baixar. E assim, quanto mais pessoas quiserem proteger (via legislativa ou voluntária não aceitando revisão dos contratos) a totalidade do seu salário mais pessoas irão perder a totalidade do seu salário (desemprego).

 

Isto parte do princípio de que as empresas tentam reagir a uma quebra de procura baixando salários. Mas não é óbvio que esta seja a melhor opção - mesmo do ponto de vista do próprio gestor-maximizador-de-lucro. Por exemplo:

 

a) Baixar salários pode ter um custo motivacional. Se isto for verdade, é melhor tentar poupar 1000€ com um despedimento do que uma redução salarial across-the-board que permita a mesma poupança. Assim, mantém-se o nível motivacional dos que trabalham e concentra-se o desconforto nos elementos que já não contam para o processo produtivo (os desempregados).  

 

b) O elemento anterior ganha ainda mais força se se assumir que os trabalhadores não são todos iguais e que há relações contratuais mais fáceis do que romper do que alíneas de outros contratos. Mesmo que a produtividade marginal seja semelhante, os custos motivacionais (e reputacionais) variam de trabalhador para trabalhador, o que justifica, do ponto de vista da análise custo-benefício, um tratamento divergente.

 

c) A negociação salarial não é feita em leilão. No curto prazo, os salários resultam de 'bluffs' ["tenho uma proposta da concorrência, quer cobrir?"], jogos de aparências e golpes de sorte. Devido a esta assimetria informacional, um gestor pode ter receio de que um apelo à redução de salários seja lido não como uma forma de manter postos de trabalho mas como um desejo de alterar a divisão de lucros entre o trabalho e o capital. 

 

d) Há custos de "menu" que, mais uma vez, não estão distribuídos de forma homogénea. É mais fácil prescindir do trabalho de umas dezenas de "recibos verdes", e voltar a contratá-los se a conjuntura melhorar, do que baixar milhares de salários e posteriormente voltar a subi-los (até por causa dos problemas da negociação identificados no ponto anterior).

 

Agora imaginem estas fricções a actuar todas ao mesmo tempo e percebem por que é que no mundo real as coisas não funcionam como o modelo simples de microeconomia I prevê.    

 

Prioridades

Priscila Rêgo, 08.06.12

Qual é exactamente o problema de o Estado gastar mais dinheiro per capita no ensino básico e secundário do que no universitário?

 

A intervenção do Estado pode justificar-se por várias razões mas, no caso do ensino, são sobretudo duas: eficiência e equidade. Eficiência porque a educação traz benefícios que vão para lá dos agentes que entram nessa transacção (aluno e escola): se todos ganhamos com a existência de gente educada e civilizada, faz sentido que contribuamos para isso com impostos.

 

E equidade porque a educação é um dos factores que mais influencia a evolução dos rendimentos ao longo da vida. É uma variável útil e simples de utilizar para controlar a desigualdade, e com menos inconvenientes do que a correcção a posterior. Subsídios, ajudas e outros milhares de apoios e que acabam inevitavelmente por proliferar são um remendo relativamente menos eficaz.

 

Segundo o primeiro critério, faz mais sentido concentrar os apoios nas fases iniciais do ciclo educativo, porque é daí que brotam as maiores externalidades. Todos ganhamos em ter vizinhos que têm requisitos básicos para a vida em comunidade, ao passo que os benefícios de um PhD em matemática aplicada são colhidos sobretudo por quem o concluiu. Mas é no caso da equidade que a indignação da Palmira faz menos sentido: num país em que o acesso ao ensino superior continua, apesar de tudo, a ser tão desigual, gastar mais com as universidades do que com escolas primárias significaria estrangular ainda mais a base da pirâmide social, limitando as capacidades de progresso de quem teve o azar de nascer numa família errada; e então usar esses recursos para alimentar quem já estava no topo. 

 

E depois queixam-se de que Portugal é um país desigual. Pudera. A pensar desta maneira...

 

 

 

Pág. 2/2