Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

O poder sindical

Tiago Moreira Ramalho, 17.10.11

É bastante comum ouvirmos que o governo propõe algo aos sindicatos. Na Educação, o governo propõe um modelo de avaliação. Na Justiça, o governo propõe um mapa judicial. Nas Finanças, o governo propõe um aumento salarial. Isto é fundamentalmente errado e, arrisco, algo perigoso.

A natureza dos sindicatos reside, precisamente, na sua falta de Poder. Os sindicatos não são instituições políticas. Não podem nem devem ter poder de decisão. Eles existem, no limite, como contra-poder e ser contra-poder implica que um poder exista e que aja previamente. Não cabe aos sindicatos definir os salários ou estabelecer o modelo de avaliação docente, mas sim ao governo e, no limite, ao Parlamento, os quais têm a legitimidade democrática para decidir. Numa negociação entre o governo e o sindicato, o sindicato representa a minoria – a corporação –, enquanto o governo representa a maioria – o país. Não podem, nem que seja por básico apelo à matemática, falar de igual para igual. Os sindicatos são um grupo de pressão como outro qualquer, que por acaso está organizado e estruturado. O poder de um sindicato é o mesmo que o poder de um grupo de reflexão, de uma tertúlia ou de um conjunto de bêbados que se arrastam no Bairro Alto.

Muito do que são as grandes decisões políticas dos últimos anos estão mais atadas às opiniões dos sindicalistas do que às opiniões da população. As razões podem ser explicadas de muitas formas (os sindicatos, pela sua organização, têm mais exposição, por exemplo). No entanto, independentemente das razões, o facto é que estes senhores têm mais poder que alguns partidos democraticamente eleitos e com assento parlamentar. E isso mina toda a confiança de um povo nas instituições que para si criou.

3 comentários

  • Curiosamente, discordo de todo o argumento do Oakeshott neste âmbito. Eu não sou contra a existência dos sindicatos. Aliás, acho que numa sociedade livre, não podes impedir a associação de pessoas com propósitos comuns (e o argumento de que é um monopólio e que por isso deve ser impedido é o mesmo que impedir monopólios de empresas em certos mercados).

    O que me aflige é que as próprias instituições democráticas e com poder dado pelo quadro legal dêem poder informal aos sindicatos. A culpa é do governo, em respeitá-los mais que ao Parlamento. O Parlamento é quem deve decidir sempre. Isto não se resolve com a proibição dos sindicatos, mas sim com a reeducação dos governos.
  • Repara que ele não está a prescrever a inexistência de sindicatos mas simplesmente a constatar, a partir da contribuição de outrem, como na realidade funcionam os sindicatos nas sociedades ocidentais. E Hayek vai no mesmo sentido, como podes aferir no The Constitution of Liberty, em que este se preocupa não com os sindicatos per se enquanto forma de associação mas sim com os poderes exagerados de que estes dispõem, alguns deles até legais.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.