Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

Gorduras II

Priscila Rêgo, 19.10.11

Cortar desperdícios não é difícil. Qualquer pessoa é capaz, de um mês para o outro, de reduzir acentuadamente as suas despesas. Não é complicado: sabemos em que é que gastamos e a utilidade daquilo a que atribuimos valor; a partir daí, basta comparamos alternativas, ponderar com cautela e abdicar daquilo que tem um valor marginal mais reduzido. Dado o grau de conhecimento que temos da situação, podemos fazer um plano tão rigoroso quanto minucioso: menos iogurtes por dia, apagar as luzes ao sair do quarto, apressar os banhos, férias económicas ou moderar as idas ao cinema. Depende do que que queremos e do que estamos dispostos a abdicar. Mas ninguém nos conhece melhor que nós próprios para fazer essa escolha. 

 

Este modelo é irreplicável no Estado. Quem tem informação para actuar a este nível (directores de serviços) não tem os incentivos nem os poderes para o fazer; e quem tem interesse e capacidades (ministro das Finanças) não tem a informação disponível. É impossível saber, a partir de Lisboa, quais são as despesas supérfluas e os funcionários excedentários em cada serviço público. O top down é a única política disponível. Mas o top down não funciona para subtilezas: é desbravar caminho para fazer uma estrada usando uma bomba atómica à distância. O

 

O corte salarial do 13º e 14º mês foi a alternativa do Governo. Sim, é injusto e de uma violência brutal, mas pode acabar por ter resultados. Não só devido ao impacto orçamental, que é gigantesco, mas sobretudo pelo que representa para a função pública. Porque aumenta as reivindicações dos competentes que se sentem prejudicados pelo comportamento dos incompetentes, e porque faz germinar, dentro da própria administração pública, exigências de diferenciação. É o bottom up a surgir às pinguinhas. Vejam, a este propósito, as propostas do Pedro Pita Barros e do João Cerejeira. Ainda vamos ver o Mário Nogueira a defender uma avaliação com consequências para a carreira.  

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.