Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

8 comentários

  • Luís,

    Sabe perfeitamente onde eu queria chegar com o comentário. Eu não quero proibir que eles vão. Gostava era que se limitasse esse 'valor acrescentado' que tantas vezes é de natureza dúbia.
  • Sem imagem de perfil

    Luís Lavoura 27.10.2011

    Tiago,

    eu estou apenas a fazer aquilo que Você sugere que se faça - a discutir o facto. E, fazendo o papel de advogado do diabo, estou a dizer a verdade - que é normal e expetável que os ex-políticos aufiram bons salários na privada.

    Numa economia moderna o Estado ocupa um enorme papel, quer como regulador e legislador, quer também como contratador (comprador de diversos serviços). Isto é assm em toda e qualquer economia moderna, sem exceção. É pois normal que uma pessoa que tenha boas relações dentro do aparelho do Estado, que o conheça, que conheça os administradores e reguladores e legisladores, seja muito útil para muitas empresas privadas.

    O Tiago considera que esta utilidade acrescida é muitas vezes "de naureza dúbia". Pois é. Mas o que é que se há-de fazer? A mim parece-me que dificilmente se pode fazer algo para limitar estas consequências perversas da democracia e da economia de mercado.

    Ou o Tiago tem alguma sugestão concreta?

    Repare também que os políticos auferem frequentemente salários relativamente reduzidos. O salário mais alto que mais tarde auferirão na privada pode, de alguma forma, ser visto como uma compensação para o salário menos bom que auferiram enquanto políticos. Se o Tiago quiser limitar essas altos salários na privada, corre o risco de cada vez ter menos gente a querer fazer carreira política. E a falta de quantidade gera falta de qualidade...
  • Sem imagem de perfil

    PR 27.10.2011

    Não há nenhum conhecimento ou experiência adquirida que justifique que uma passagem pelo Governo aumente 30x a produtividade de um tipo. Ou melhor: nenhum conhecimento ou experiência adquirida que possa ser considerada legítima ou aceitável.

    Estes números não são maus em si: são assustadores pelo que revelam. Como o TMR diz, não é preciso proibir salários altos ou nomear pessoas à unha: basta tornar as coisas mais transparentes e limitar a discricionariedade dos políticos. Actuar na causa, e não no sintoma.

    E no fim logo se veria se o "extra pay" é um bónus que premeia a produtividade ou outra coisa qualquer menos clara.
  • Sem imagem de perfil

    Luís Lavoura 27.10.2011

    A Priscila certamente sabe que nas grandes empresas privadas se praticam salários que dificilmente têm algo a ver com a produtividade de quem os recebe. A desigualdade salarial é uma praga do mundo atual, que nada tem a ver, em geral, com a política ou a corrupção. É vulgar um gestor de uma empresa privada auferir atualmente somas astronómicas.

    Quanto ao resto, estou de acordo com ambos: é preciso limitar a discricionariedade dos políticos, aumentar a transparência das decisões, etc.

    Mas isto é mais por um motivo de amor à democracia do que, propriamente, por essas coisas serem necessariamente más para a economia. Tal como eu referi noutro comentário, muitos dos países com economias mais pujantes têm também níveis de corrupção, e de interferência do Estado nos negócios, extremamente altos.
  • Mas ó Luís, acho que até agora ninguém disse que mudar a situação tinha alguma coisa a ver com o crescimento económico. Tem apenas a ver com higiene.
  • Sem imagem de perfil

    Hugo Monteiro 27.10.2011

    O problema é ver um zé-ninguém chegar à política e sair grande gestor, apesar do país estar num caco. O caso do Armando Vara e do Jorge Coelho são os mais explícitos que andam aí.
  • Sem imagem de perfil

    Luís Lavoura 28.10.2011

    Sim, mas a carreira política pode, nestes casos, ser entendida precisamente como uma forma de educação prática (assim como que uma espécie de programa Novas Oportunidades). Um tipo pode não ter tirado um MBA em gestão mas, graças à sua educação prática em política, adquiriu conhecimentos úteis para uma empresa.
    E eu, francamente, não vejo nada de criticável nisto. Há diversas formas de um indivíduo alcançar conhecimentos úteis para a gestão de uma empresa. A educação formal é uma delas, mas há outras. E não necessariamente ilegais.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.