Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

O modelo mais simples

Tiago Moreira Ramalho, 01.12.11

 

Para recusar a intervenção governamental através de subsídios ou de impostos e taxas, muitos economistas argumentam com o mais simples dos modelos económicos: o da procura e oferta. Afinal, se o mercado consegue chegar a um equilíbrio por si só, para quê haver uma intervenção?

O problema é que os economistas que fazem este tipo de análise, em vez de pensarem no custo total (social), pensam no custo privado. E, no fim, usando apenas custos e benefícios privados, formulam conclusões sobre bem-estar geral. Parece tolo, mas é pura incompreensão da mais básica formulação de um modelo económico. Uma transação tem custos e benefícios que não são revelados pelo preço.

Não é preciso invadir as tripas dos extremistas de esquerda para ouvir falar disto. Aliás, a sugestão deste fenómeno vem da Escola de Chicago. Se não houvesse custos de transacção, os mecanismos seriam totalmente diferentes. É o próprio Ronald Coase que escreve que o mecanismo de preço é insuficiente e que algum tipo de organização gera benefício geral. Lembre-se que Coase não é um activista do movimento internacional socialista. É, sim, um dos economistas mais referenciados pelas linhas mais libertárias.

Custos ou benefícios sociais, pelas suas naturezas, só podem ser pagos pela sociedade como um todo, caso contrário, sim, geramos ineficiência. Basta aplicarmos isto ao modelo. Pensemos que o custo contabilístico de produzir um carro é um euro e que o custo social, que não entra em contabilidades, é de outro euro. A verdade é que sem um imposto de um euro neste produto, o mercado está fora do equilíbrio. A não inclusão de um imposto de um euro neste produto, ao contrário daquilo em que algumas más interpretações do modelo levam a acreditar, é responsável por perda de bem-estar geral.

 

P.S.: Houve uma correcção na denominação dos custos. No entanto, o argumento geral mantém-se. 

3 comentários

  • Não, Isabel. O que eu defendo é que as análises são muitas vezes erradas porque os analistas pensam que o custo marginal é apenas o custo explícito. Por exemplo, produzir uma boneca tem um custo explícito, mas tem custos implícitos de poluição que não são directamente pagos pelo produtor, apesar de ele ser a causa. Na verdade estamos implicitamente a subsidiar a actividade.
  • Sem imagem de perfil

    Miguel Madeira 01.12.2011

    Mas aí o problema é mais a diferença entre "custo privado" e "custo total" do que entre "custo contabilístico" e "custo total".

    P.ex, se o fabricante de bonecas trabalhar por conta própria, imagino que o custo do trabalho dele (nomeadamente o que ele deixa de ganhar por não estar a fazer outra coisa) não seja um custo contabilistico, mas em principio há de influenciar a curva da oferta.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.