Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

Não é o tanas

Priscila Rêgo, 29.02.12

Por vezes, convém a esquecer a economia e sair de casa para espairecer um bocadinho. Assim, e enquanto o mundo cai aos bocados, podemos ler o que o Henrique Raposo tem a dizer acerca de Deus. Deus não é para o bico da ciência reza mais ou menos assim:

 

O que torna Flew num caso subversivo para o ateísmo hegemónico não é a mera conversão à ideia de Deus. A subversão está na forma, porque Flew chegou a Deus através da ciência, e não através da fé. Flew atingiu Deus através da física e da cosmologia. O ex-papa dos ateus pegou nos dados científicos, e Eureka: há um Deus subjacente à racionalidade da natureza e do universo. Tudo bem? Tudo mal. Deus não é um assunto científico. Deus não se prova ou desprova cientificamente. Deus é um salto de fé abraâmico, kierkegaardiano. Se Dawkins está errado, Flew também não está certo.

 

Isto é perturbador. Apetece perguntar: ok, Deus não se prova ou desprova cientificamente. E isto porque?...

 

A pergunta não é retórica. Certamente que se Deus em pessoa, a saltitar sobre a água e a curar cegos com o toque, se apresentar ao Henrique, ele verá confirmada a sua crença na existência de um ente superior. Apesar de esta confirmação não ter o grau de refinamento de uma "prova científica" (não chega a tanto: é apenas senso comum aliado a um par de olhos), ela é seguramente uma prova "empírica" que ninguém mentalmente são - ateu ou crente - desprezaria. A ideia de que Deus não pode ser provado por via empírica é um afirmação irrazoável de quem começou a pensar no assunto sem ter os dois pés bem assentes na terra.

 

O Henrique remete para Popper e lembra que mesmo a ciência não prova nada, limitando-se a afirmar verdades provisórias. Mas esta é uma afirmação trivial que tanto se aplica a Deus como à destreza linguística do Jorge Jesus. Apesar de não ser possível provar, sem qualquer resquício de dúvida, que o treinador do Benfica não é um Camões em potência, parece razoável concluir, à luz da evidência disponível, que ele é um semi-analfabeto (sem desprimor: não obstante, tem um cabelo maravilhoso). É este grau de certeza, provisório e relativo, que está envolvido em afirmações como "Deus não existe" e por aí fora. 

 

Agora, há um ponto curioso que poucas vezes vejo referido. Esta deferência epistemológica perante Deus, como se ele fosse uma entidade distante, intocável e inalcançável, é uma coisa relativamente recente. A grande maioria das religiões - sobretudo as mais antigas - não está preocupada com subtilezas deste género. Zeus era um homem como os outros, que podia ser preso com cem nós (mas disparava raios das mãos). Com Thor e cª passava-se a mesma coisa (suspeito que as personagens da Marvel são bastante mais poderosas do que os Deuses que as inspiraram eram no imaginário da Grécia e Escandinável antigas). O próprio Antigo Testamento retrata um todo-poderoso bastante humano. Pelo menos, ao nível das qualidades pessoais.

 

A minha suspeita, que gente mais esperta do que eu provavelmente também já terá tido, é que toda esta "éterização" de Deus, bem como o refinamento teológico dos últimos oito ou nove séculos (e pelo menos na linha "justificativa" de Leibniz) são em grande medida uma forma de fazer recuar a "linha de refutação". Ou seja, e perante os avanços da ciência, as religiões sobreviveram à custa de mecanismos de justificação teológica, que tornaram a refutação mais difícil ou facilitaram - com algum esforço psicológico e muito boa vontade à mistura - a compatibilização da noção de Deus (que na prática deixou de ser "o" Deus típico) com informações dissonantes que vinham de vários campos do saber (biologia, química, etc.). Neste sentido, o recurso ao "Deus não se prova" é a derradeira estratégia de defesa, depois de todas as outras terem caído.  

 

 

 

8 comentários

  • Sem imagem de perfil

    PR 29.02.2012

    Nuno,

    Se vir um homem a recuar alguns passos perante um buraco no chão, é legítimo supor que ele está a ganhar balanço para dar um salto. Mas se ele recua à medida que um tipo com uma faca se aproxima, é mais razoável concluir que ele está a recuar. É este padrão de "dança sincronizada" que eu noto na relação entre a ciência e a religião que me leva a dizer que a segunda está a recuar.

    Quanto à segunda parte do seu comentário, só ajuda a obscurecer a questão. O meu pai também tem um significado e uma relação singular com cada um dos três filhos, e é óbvio que é um disparate dizer que a sua existência não pode ser confirmada por via empírica.
  • Sem imagem de perfil

    Nuno Gaspar 01.03.2012

    Segunda parte: o que tem existência empírica é o corpo. Não terá dificuldade em partilhar a sua identidade. A relação singular que se estabelece entre cada um, que no fundo é o que interessa, não tem esse acesso empírico e até pode nem desaparecer quando já faltarem corpos.
  • Sem imagem de perfil

    PR 01.03.2012

    "A relação singular que se estabelece entre cada um, que no fundo é o que interessa, não tem esse acesso empírico e até pode nem desaparecer quando já faltarem corpos."

    Logo, Deus é feito da mesma substância que me liga ao meu pai?
  • Sem imagem de perfil

    Nuno Gaspar 01.03.2012

    Ó Priscila,
    Não sei de que substância Deus é feito. Mas alguma coisa há-de ter a ver com a recusa em aceitar que o mundo acaba no que se consegue ver e dizer dele e com a forma irrepetível com que cada um se confronta com a sua existência e o seu fim. A objectividade da ciência aí não mete o bedelho. Nesse aspecto, a partilha de simbolos, exemplos, arte, ou até o silêncio, pode ter muito mais interesse.
  • Sem imagem de perfil

    PR 01.03.2012

    Ah. Deus é arte, silêncio ou uma recusa. Ok, aí concordo que a ciência não mete o bedelho.
  • Sem imagem de perfil

    Nuno Gaspar 02.03.2012

    "Desconversar também conta como um recuo", Priscila.

    Tilt!
  • Sem imagem de perfil

    Pedro 04.03.2012

    Acho que todos já todos percebemos que nem o Henrique nem o Nuno acreditam em Deus. Essa sua filosofia de Deus, Nuno, é bastante zen, meio new age, parece coisa do Paulo Coelho. É óbvio que Deus nada tem a ver com a razão e a ciência. Já se levou Deus a sério, já, quando se explicavam os fenómenos físicos do mundo à luz da religião. mas isso acabou.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.