Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

Desemprego? Nah...

Priscila Rêgo, 20.06.12

O desemprego é um mito criado pela comunicação social. O Ricardo Campelo de Magalhães, do Insurgente (acho que vou criar uma tag só para ele), fez a descoberta e decidiu partilhá-la com o resto do mundo. 

  

Parece que a percentagem da população empregada é hoje muito maior do que nos "dourados" anos 50 e anos 60. Ou, como ele diz, "o problema da actual crise não é a falta de empregos".

 

 

 

 

O Ricardo desvendou uma conspiração da imprensa mundial para ocultar a força do mercado laboral americano. Ou, então, esqueceu-se só que dos anos 50 para cá as mulheres, enfim, saíram de casa. 

 

 

 

 

Em baixo, um retrato mais fiel de uma economia que não tem problemas de emprego (dados da Reserva Federal)

 

 

 

 

 

4 comentários

  • WOW. Douta Ignorância realmente.

    Priscila,
    Repare que é óbvio que a taxa de actividade aumentou (não só pelo aumento da participação da mulher no mercado de trabalho, mas também). Vem em diversas estatísticas e quem está atento mais tarde ou mais cedo cruza-se com esse dado, como já me aconteceu várias vezes.

    Como é óbvio o Desemprego também aumentou face aos anos dourados do pós-guerra, sobretudo nos últimos anos. O que justifica a última queda.

    O que descobri ao ver o ficheiro em anexo no meu artigo é que juntando os 2 efeitos, eles em grande parte anulam-se e portanto a população empregada é hoje próxima da que se verificava na época do crescimento do pós-guerra.

    Sem conspiração, sem complicação.
    Só isso. Achei curioso e partilhei.
    E a Priscila faz tanto por... nada.

  • Sem imagem de perfil

    PR 21.06.2012

    No problemo. Eu também só andava a passar tempo nas bases de dados da Fed e notei, por acaso, que a taxa de desemprego está no segundo valor mais alto dos últimos 65 anos. Achei curioso e partilhei.

    Obviamente, só por má vontade poderia imaginar que isto invalida a sua tese de que não há falta de empregos.
  • Mas que tese?
    Mas eu coloco alguma hipótese?!?
    Mas eu tiro alguma conclusão nesta problemática?!?
    Ainda estou a constatar um número e a pensar em teses Priscila. Nunca em lado nenhum destes artigo falo em tese, compreende?

    Consegue-me dizer onde foi bucar a ideia de que há alguma tese?!?
    Rapariga paranóica... tudo tem de ter uma tese, uma tese...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.