Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Falácia Lógica

Tiago Moreira Ramalho, 22.05.10

Num texto sobre o casamento entre homossexuais, Carlos Santos fala de uma falácia lógica da «esquerda». Diz Carlos Santos que a «esquerda» comete o pecado de, valha-lhe Deus, querer «tratar como igual aquilo que é diferente». Tolinha, a «esquerda», tolinha. Aliás, este argumento do tratamento desigual àquilo que é desigual é tão antiguinho, que só mesmo por distracção é que a «esquerda» ainda não lhe percebeu a manha. Vamos recuar a Aristóteles, à sua Política, para darmos uma espreitadela às origens do argumento. Em Política, Aristóteles apresenta-nos, no seu parágrafo sobre a Servidão Natural – já está a cheirar bem, leitor – uma cadeia de raciocínio que, começando na superioridade da alma relativamente ao corpo, acaba na subjugação de homens a outros homens. Simplificando, para Aristóteles, o tratamento desigual que existe entre servos e senhores e, também, entre homens e mulheres, por uns serem superiores aos outros, é corolário da relação de superioridade da alma relativamente ao corpo. A alternância ou igualdade nestas hierarquias seria, diz-nos Aristóteles, muito nociva para todas as partes. A «falácia lógica» aqui não estava na questão do tratamento desigual perante o que é desigual, uma perfeita tautologia, mas sim na definição do que é, efectivamente, desigual. Claro que não é preciso explicar que nasceu aqui a Era das Trevas de que não saímos assim há tanto tempo – e em que alguns parecem ainda viver.

Obviamente, no tempo de Aristóteles não se falava em casamento entre homossexuais. Mas, ainda assim, temos bravos Carlos Santos que lhe mantêm viva a argumentação tanto tempo depois. Se o argumento é o de não tratar igual aquilo que é desigual, supõe-se que há aqui toda uma «hierarquiazinha» (dado que uma desigualdade efectiva não existe no tipo de relação contratual). Supõe-se que os famigerados negadores da sua «orientação sexual biológica» (surpreendo-me com a minha capacidade de me surpreender, leitor) não têm o direito a um casamento igual, dado que o seu casamento é, na realidade, inferior. Palminhas para o Carlos Santos. Isto anda cada vez melhor.

3 comentários

Comentar post