Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

7 comentários

  • Sem imagem de perfil

    RPR 28.05.2010

    Não vejo grande diferença entre um iPad ou um telemóvel, por exemplo. Qualquer produto tecnológico, não de primeira necessidade, é uma "bandeira" da mesma economia de mercado cujo pescoço o BE quer apertar.
    Imaginei que o Miguel respondesse que o BE não é anti-capitalista. É que esse ponto é discutível.
  • Sem imagem de perfil

    Miguel Madeira 28.05.2010

    "Qualquer produto tecnológico, não de primeira necessidade, é uma "bandeira" da mesma economia de mercado cujo pescoço o BE quer apertar."

    Em primeiro lugar, estamos a falar de "capitalismo" ou de "economia de mercado"? São duas coisas distintas (ou, pelo menos, os auto-proclamados "anti-capitalistas" usam-nos com significados distintos).

    Mas o meu ponto principal é outro - a maior parte dos anti-capitalistas são da opinião de que o capitalismo retarda o progresso da tecnologia e se vivêssemos no socialismo já teríamos iPads de 13º geração (e trabalharíamos apenas 3 horas por dia); logo para eles os produtos tecnológicos não são um produto do capitalismo, mas algo que existe apesar do capitalismo (da mesma forma que os liberais não considerem os telemóveis como fruto do estado social nórdico).

    Pode-se argumentar que os anti-capitalistas estão errados, mas penso que isso é irrelevante para este discussão (penso que o que está aqui a ser discutido é se são logicamente coerentes, não se estão correctos).
  • Sem imagem de perfil

    RPR 28.05.2010

    O Trotsky era ainda mais ambicioso: dizia que seria possível, com o seu socialismo, criar uma sociedade de Aristóteles - tudo gente inteligente a esse ponto.

    Um liberal não considera o telemóvel uma invenção do Estado Social nórdico porque vê-a como criação de uma economia de mercado, que prospere apesar de o Estado ser mais ou menos regulador ou taxador.

    A questão é que o BE implementaria políticas muito mais restritivas dessa economia de mercado do que qualquer Estado Social nórdico.

    Para mim, a contradição nas palavras de Rui Tavares é que ele apoia um partido que implementaria políticas que tornariam impossível a criação de um iPad em território nacional. Faz sentido querer restringir um tipo de produção em solo nacional e, ao mesmo tempo, importar os produtos desse trabalho?

    Falo de economia de mercado, porque capitalismo é suficientemente escorregadio para não chegarmos a consensos: http://onumeroprimo.wordpress.com/2010/01/05/procura-se-2/.
  • Sem imagem de perfil

    Miguel Madeira 28.05.2010

    "Para mim, a contradição nas palavras de Rui Tavares é que ele apoia um partido que implementaria políticas que tornariam impossível a criação de um iPad em território nacional. "

    Em primeiro lugar, penso que, de qualquer maneira, o iPad já não é produzido no território nacional (posso estar enganado).

    E em segundo lugar (e o mais importante), provavelmente o Rui Tavares não acha que as politicas que defende tornariam impossível a criação do iPad (provavelmente achará o oposto - que a destruição do Estado Social é que irá tornar impossível a criação de iPads e telemóveis por falta de mercado).

    Ou seja, ele pode estar errado, mas não está a ser incoerente com aquilo que julga estar correcto.

    (note-se que eu não sei o que o RT pensa; estou apenas a tentar imaginar o que ele provavelmente pensará)
  • Sem imagem de perfil

    RPR 28.05.2010

    Talvez seja melhor imaginar que estamos na Finlândia, onde se produzem telemóveis, e que as eleições são ganhas por um partido com o programa do Bloco de Esquerda. Não duvido que a produção da Nokia seria no mínimo afectada pela governação.

    A contradição, no meu entender, está em valorizar-se pessoalmente algo que, enquanto putativo governante, se faria por coarctar. Não quero com isto dizer que, enquanto governante, o Rui Tavares desvalorizaria os telemóveis Nokia, mas apenas que a prioridade que daria aos direitos laborais afectaria a produção da Nokia, que deixaria de ser tão criativa - e, por isso, não criaria os seus famosíssimos (estou a sonhar) Nokia Pads, concorrentes do iPad da Apple. Depois, o Rui Tavares encomendaria um iPad via Amazon...
  • Sem imagem de perfil

    Miguel Madeira 28.05.2010

    Mas acho que o que interessa para aqui não é os resultados que as politicas do BE (ou Aliança de Esquerda finlandesa) teriam, mas os resultados que o Rui Tavares acha que teriam (e suponho que ele não achará que essas politicas fossem reduzir a criatividade da industria de telemóveis finlandesa).
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.