Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

A Douta Ignorância

Política, Economia, Literatura, Ciência, Actualidade

Entrevistas no Limite - José Eduardo Agualusa

A Douta Ignorância, 22.06.10

 

José Eduardo Agualusa é o nosso primeiro entrevistado fora da blogosfera. É um dos mais importantes romancistas africanos, embora a sua obra possa ser considerada como um produto genuinamente atlântico. O regime angolano não beneficia da indulgência de Agualusa, ao contrário do A Douta Ignorância, um blog que não tem petróleo, que não silencia as vozes críticas (a não ser a de comentadores chatinhos) e que não entrega a gestão dos posts a familiares.

 

Os seus romances são transatlânticos, miscigenados, do manejo da língua à localização da acção. A lusofonia é identidade ou marketing?

Nem sei ao certo o que é a lusofonia, parece-me um daqueles conceitos elásticos, que cada qual entende à sua maneira. Os meus romances são, como é natural, um resultado do meu próprio percurso. Esse percurso foi, tem sido, escolha e acidente. 

 

Disse, a propósito do Acordo Ortográfico, que Portugal tem um «enraizado sentimento imperial». O que o leva a pensar tal coisa?

O alarido que o referido acordo provocou em Portugal. Participei em inúmeros debates sobre o mesmo e recordo-me perfeitamente de um deles, na casa Fernando Pessoa, durante o qual um imbecil na plateia começou a gritar "a língua é nossa!". É a isto que chamo sentimento imperial. 

 

Numa entrevista à Ler, falava com alguma condescendência sobre Mia Couto, felicitando-o por se libertar das doenças infantis do trocadilho e do neologismo. Há aí uma rivalidade latente?

Pelo amor de Deus, o Mia é tudo o que eu gostaria de ser se tivesse nascido em Moçambique. É o meu melhor amigo. Ele tem arriscado novas formas de maneira extremamente corajosa. O Mia é um caso raro de sucesso de público e de crítica a nível internacional. Podia deitar-se a dormir, mas prefere arriscar e tentar novas formas.

 

A fotogenia é fundamental para o sucesso literário?

O contrário. O sucesso, literário ou qualquer outro, é importante para o reconhecimento da fotogenia. 

 

Num inquérito da revista New Yorker a 20 vozes com menos de 40 anos, o único escritor lusófono citado como influência é o José Eduardo Agualusa. O reconhecimento dos pares é o mais importante?

Claro, embora dependa dos pares. 

 

Angola é uma democracia embrionária ou uma ditadura moribunda?

Tenho a sensação que é um país que caminha a passos firmes para uma ditadura sólida, para o que conta com o apoio de Portugal, e de muitas outras democracias ocidentais. 

 

Viver a maior parte do tempo em Portugal não o desautoriza enquanto voz crítica do regime? É mais fácil criticar quando se está longe?

O que caracteriza os regimes totalitários é precisamente isso  - é mais fácil critica-los quando se está longe. Não pretendo ser uma autoridade, apenas um cidadão preocupado com os destinos do seu país, e prefiro estar preocupado, mas livre, numa situação em que consiga expressar essas minhas preocupações, e ser escutado dentro e fora do país. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.